Cultura

Acervo museológico é recuperado no Brasil

Recuperar e criar um maior espaço de divulgação da identidade angolana é uma das metas do Estado brasileiro da Bahia para os próximos meses, através da restauração das peças de valor museológico patentes na Casa de Angola no Brasil.

Benjamim Sabby (à esquerda) é o director do Casa de Angola
Fotografia: Edições Novembro

A intenção, apresentada domingo ao embaixador de Angola no Brasil, Nelson Cosme, pelo governador em exercício do Estado da Bahia, João Leão, é acompanhada de uma outra, que inclui a realização da semana de artes angolanas em Salvador no próximo ano. Resultante dos contactos entre o diplomata angolano e as autoridades do Estado da Bahia, o encontro serviu também para fortalecer a cooperação cultural entre os dois países.
Durante a sua estada, o embaixador angolano foi agraciado com o título de “Cidadão da Cidade de Salvador”, como reconhecimento da sua contribuição para a promoção e divulgação da cultura angolana na Bahia, assim como pelo fortalecimento das relações de amizade e pela dinamização do intercâmbio cultural entre os dois países.
Entre as várias actividades realizadas pelo embaixador, há ainda a destacar o encontro com  o director da Casa de Angola na Bahia, Benjamin Sabby, e os representantes dos estudantes angolanos naquele país, onde Nelson Cosme reafirmou o seu desejo de ajudar os jovens em relação à conclusão das suas formações, assim como ofereceu material informático para os ajudar a realizarem as suas pesquisas.
A Casa de Angola na Bahia, inaugurada a 5 de Novembro de 1999, é o resultado de uma iniciativa da Embaixada de Angola no Brasil, com apoio do Governo da Bahia.

Tempo

Multimédia