Cultura

Adiada exibição e debates sobre o racismo no cinema

Manuel Albano|

O projecto Cinema@Debate” adiou a exibição e debates do filme “Advinha quem vem  para jantar” prevista para quinta-feira, na sede da Associação Angolana dos Profissionais de Cinema e Audiovisual (Aprocima), em Luanda.

Discussão sobre cinema e cultura no terceiro aniversário da Associação Angolana dos Profissionais de Cinema e Audiovisual realizada em Luanda
Fotografia: Paulino Damião| Edições Novembro

De acordo com um comunicado de imprensa, a direcção da Aprocima informa que a projecção foi adiada para 28 de Setembro, para permitir maior envolvimento dos seus associados ao processo eleitoral, que decorre desde o dia 23, em todo o país.
“Advinha quem vem para jantar” é uma produção norte-americana de 1967, no género cómico-dramático, cuja história está centrada no racismo em relações amorosas. O filme, do realizador Stanley Kramer, é protagonizado pelos actores Spencer Tracy, Sidney Poitier e Katharine Hepburn.
A narrativa revela o relacionamento de Joanna Drayton, uma jovem branca, com o renomado Dr. Prentice (médico afrodescendente) que se conhecem enquanto Joanna goza férias no Havai. Os dois planificam casar e ela decide voltar com ele para a sua casa na Suíça.
O enredo do filme é centrado no regresso de Joanna  a casa da sua família, de classe alta, e a reacção dos seus pais e amigos ao saberem da notícia: uma jovem branca, noiva de um afrodescendente.
Segundo a sinopse do filme, Joanna foi criada pelos seus pais para ter a mente aberta, mas a situação muda quando ela apresenta um noivo negro.
Para Zizina Gourgel, da direcção da Aprocima, o filme “permite-nos fazer um debate aberto e sem tabus sobre a questão do racismo, as diferenças étnicas, regionais, credos religiosos e opções políticas que, muitas vezes, ditam as regras nas relações amorosas.”  Zizina Gourgel informou que o projecto “Cinema@Debate” tem um formato de cineclube, permitindo a exibição e análise dos conteúdos dos filmes tanto nacionais como estrangeiros.
 As entradas são livres, e os participantes analisam, além da mensagem do filme, aspectos técnicos e estéticos.  Zizina Gourgel acrescentou que a história, embora seja um espelho da realidade norte-americana daquela época, sobre o então controverso tema de casamento inter-racial, “constituem estereótipos que, infelizmente, continuam activos quer na sociedade norte-americana, quer noutros países ou continentes como Europa, África e Ásia”, afirmou Zizina Gourgel.

Actividades da Aprocima

Para comemorar o seu terceiro aniversário, a Aprocima realizou, no passado dia 16, uma mesa redonda subordinada ao tema “Cinema e cultura angolana: aspectos tradicionais, religiosos, políticos e sexualidade”. Além do debate, houve a projecção do filme “O Teste do sofá” o que permitiu aos participantes dialogarem com o realizador Manuel Narciso “Tontón”, sobre o tema da sexualidade, as dificuldades para a produção da longa-metragem, contratação dos actores, em particular as mulheres jovens que aceitaram filmar cenas seminuas.
Tonton, um dos membros fundador da Aprocima, ao responder as questões dos espectadores disse não ter sido fácil produzir “O teste do sofá”, mas, foi uma experiência agradável quer do ponto de vista técnico e estético, quer do ponto de vista das relações humanas entre as equipa técnica, as actrizes e os seus familiares.
Sérgio de Oliveira, o moderador do debate, ao fazer o balanço, informou que a mesa-redonda  permitiu medir a pulsação do público em relação aos tabus sobre sexualidade, política e religião no país. O projecto “Cinema@Debate” tem a parceria do Instituto Angolano de Cinema e Audiovisual (IACA), da Cinemateca Nacional e da União dos Escritores Angolanos (UEA).
Com 80 associados inscritos, a Aprocima é uma associação de âmbito nacional, e visa atender as necessidades e interesses dos profissionais do cinema e audiovisual, desenvolver e promover a arte cinematográfica e audiovisual angolana.

" Histórico do premiado filme “Advinha quem vem para jantar"

O filme “Advinha quem vem para jantar” recebeu dez indicações para o Óscar, levando apenas duas estatuetas. Recebeu sete indicações para os prémios Globo de Ouro, mas sem êxito. Recebeu também duas indicações para os prémios BAFTA, levando ambos os prémios.
Em1968 foi distinguido com o Prémio David di Donatello, na Itália, na categoria de melhor filme estrangeiro, e no ano seguinte Prémios Fotogramas de Plata, na Espanha,  categoria de Melhor Actor Estrangeiro, para Sidney Poitier.
De acordo com a crítica, o realizador Stanley Kramer, quebrou,  intencionalmente, vários estereótipos étnicos: a personagem do jovem médico foi criada com ideais tão puras e perfeitas para que a única objecção possível para que ele se casasse com Joanna fosse a sua raça, ou o facto de que se conheceram há apenas nove dias antes dos acontecimentos do filme.
Segundo relatos do realizador, falecido em 2001, os actores principais acreditavam tanto na premissa que concordaram em actuar no projecto antes mesmo de lerem o guião. Spencer Tracy estava terrivelmente doente e as companhias de seguro  recusaram  cobri-lo, Kramer e Hepburn juntaram parte dos seus salários para que se ele morresse um outro actor pudesse ser contratado, e as filmagens foram alteradas para acomodar Tracy. As críticas do filme foram mais positivas do que negativas, com a maior parte dos críticos a elogiar as elegantes “performances” dos quatro actores principais. Aborda, também, a discriminação do negro contra branco, como quando o pai do médico e Tillie Binks, a governanta da casa, tentam persuadir o jovem a abandonar os seus planos de casar.

Tempo

Multimédia