Cultura

Africadelic de Luanda nas plataformas digitais

Analtino Santos

Os artistas Amosi Just A Label e Batida fizeram parte do cartaz do Africadelic, uma Live realizada, na segunda-feira, pela Mano A Mano Produções, transmitido no instagram da casa de eventos Paradiso na Holanda, para assinalar o Dia de África.

Fotografia: DR

Nem mesmo a pandemia da Covid-19, que assola o mundo impediu a celebração da força unificadora da cultura africana. Nesta edição no elenco encontramos artistas como: Blick Bassy, Rey Lema, Sara Tavares, Baloji, Femi Kuti, Fokn Boys, Vaudau Game, Zoe Modiga e outras estrelas africanas e da diáspora, que completaram o cartaz.

Os participantes usaram as plataformas digitais e a organização aproveitou as 12h00 de concerto para uma homenagem ao lendário saxofonista Manu Dbango, que faleceu, este ano, vítima da pandemia da Covid-19.

Foram 30 artistas com sonoridades de diferentes regiões africanas, numa profusão rítmica sem precedentes que fizeram "Lives performances". Houve ainda a exibição de filmes africanos no (Cineville e Vimeo) e palestras nas quais foram incluídos temas relacionados com as consequências da Covid-19 no sector cultural africano, apresentados por Simons Sims, Richard Kofi, Fuad Hassen, Adeola Aderemi e Christopher Smith, que também falaram do papel da arte e criatividade em tempo de isolamento.

Africadelic 2020 foi uma co-produção da Mano A Mano Produções, Paradiso Amsterdam / Tickets to Top, Pllek Live Stage, Caribbean Creativity, Cinevillle e a Keep On Pusssing Crews. Após a realização do evento na Holanda, há 5 anos, uma das preocupações tem sido a inclusão de artistas angolanos no cartaz, com destaque para a presença de Paulo Flores.

Tempo

Multimédia