Cultura

Alegria e tristeza marcam tributo ao “rei” do bolero

Analtino Santos

A interpretação de uma rapsódia dos principais sucessos de Chico Montenegro, os quais, “Lucinda”, “Teté”, “Isabel”, “Bolero Jovem” e “Passagem do Rio”, pelos músicos Mizinga e Augusto Chacaya, foi o ponto alto do Musonguê da Tradição que, ao contrário do comum, realizou-se, esta segunda-feira, no Centro Recreativo e Cultural Kilamba.

Augusto Chacaya e Didi da Mãe Preta estiveram em destaque no Musonguê da Dipanda
Fotografia: DR

Esta edição do Musonguê, que registou casa cheia, prestou homenagem ao malogrado músico Chico Montenegro, um dos fundadores do agrupamento musical Os Jovens do Prenda, falecido em Outubro, em Luanda, por doença.

A orquestra Os Jovens do Prenda acompanhou os artistas Dina Santos, Tony do Fumo Filho, Robertinho, Dom Caetano e Augusto Chacaya, que estiveram no seu melhor, nos festejos do 44º aniversário da Independência Nacional.
Num casamento perfeito entre alegria e tristeza, pela ausência física de Chico Montenegro, o concerto começou com a actuação dos “Jovitos”, brindando os convivas com um instrumental, para depois acompanhar a primeira convidada, Dina Santos. Os conhecidos “Anel” e “Kassequel” marcaram a entrada triunfal e fechou com um tema que realça o Carnaval, com os “Jovitos” a darem o toque da já extinta banda, Semba Tropical.
Tony do Fumo Filho recordou os sucessos do pai, fundador de Os Jovens do Prenda, tendo apresentado um tema inédito, uma vez que a orquestra tem brindado os fãs com temas novos e versões pouco exploradas.
A outra voz que se juntou à homenagem foi a de Robertinho, que por várias vezes dividiu o palco com Chico Montenegro, sobretudo no agrupamento musical Aliança FAPLA-Povo. Do vasto repertório, Robertinho interpretou “Desespero”, “Samba”, “Sessá”, fechado com “Kalamaxinde”.
Didi da Mãe Preta, histórico dos “Jovitos”, não operou maravilhas apenas com a dicanza, fez também “estremecer” o Kilamba com os sucessos “Rumba Mexilhão” e “Ai ué ngongo”.
Já Dom Caetano, que ingressou na orquestra com 27 anos, por sugestão de Gabi Monteiro, recordou “Nova Cooperação”, “Adeus à Hora da Largada” e fechou em grande com “Tia”.
Augusto Chacaya foi o último a subir ao palco, interpretando “Santa iami”, “O tempo passa”, um original de Zecax, que levou ao pranto o baterista Juca dos Kiezos, consolado por Dulce Trindade. Foram fortes emoções, mas ainda houve tempo para as mais animadas, com destaque para “Manuela” e “Sandra”, esta última dedicada à filha, que foi afilhada de Chico Montenegro.
Na ocasião, uma das filhas do rei do bolero agradeceu o apoio prestado pela direcção do conjunto Os Jovens do Prenda e ao Centro Recreativo e Cultural Kilamba pela homenagem ao ente querido, que muito contribuiu para a preservação e valorização da música angolana. O momento foi de fortes emoções com lágrimas à mistura, não só por parte da filha de Chico Montenegro, mas também de muita os espectadores.
O Musonguê da Tradição encerra a temporada deste ano, no dia 15 de Dezembro, no Centro Recreativo e Cultural Kilamba, em Luanda, com um concerto de Bonga, no qual poderão participar, igualmente, Os Kiezos e Os Jovens do Prenda, de acordo com o gestor do espaço, Estévão Costa.

Espectáculos nos festejos da Dipanda

Os festejos da Dipanda deste ano foram marcados com a realização de diversas actividades músico-culturais, na capital.
Entre os mais marcantes, cujas propostas destacaram o semba e outros ritmos da música popular urbana angolana, constaram o espectáculo de Os Kiezos no Kuimbila ni Kukina, e de Legalize no Vozes da Dipanda, a homenagem a Tony do Fumo na Feira Popular, a actuação da Banda Welwitchia no Palácio de Ferro e um concerto para recordar Os Irmãos Almeida, no MD House.
As festividades começaram, no sábado, no salão de João Adilson, no bairro Marçal, onde foi feita uma homenagem a Os Kiezos, pelo contributo dado à música e à cultura nacional. Entre os temas interpretados, há a destacar sucessos como “Milhoró”, “Princesa Rita” e “Za Boba”. Massano Júnior foi a surpresa da iniciativa. Givago, Toni do Fumo Filho, Pombinha e Augusto Chacaya foram as outras presenças de realce.
Na Casa de Cultura Nzinga a Mbandi, no Rangel, acontecia, no mesmo dia, o concerto “Vozes da Dipanda”, com Legalize e o grupo Nguami Maka a abrirem o espectáculo ao som do instrumental “Pôr-do-Sol”. Depois ouviram-se canções como “Colonial”, “Xiami”, “Kumuxitu”, “1º de Agosto” e “Camarada Presidente”.
No domingo, a festa começou na Feira Popular, onde foi feita uma homenagem a Toni do Fumo, que morreu no dia 10 de Novembro de 1991.

Tempo

Multimédia