Cultura

Amor e política em disputa

Francisco Pedro |

A rivalidade política entre duas famílias condiciona o casamento de Romeu com Julieta, que namoram há largos anos, uma história emocionante e inédita da curta-metragem “Romeu e Julieta”, do realizador Tomás Ferreira “Walter”, que após a exibição seguirá um debate com os actores, na Casa da Cultura Njinga Mbandi, na rua C5 do bairro Nelito Soares, no Rangel, em Luanda.

“Romeu e Julieta” vai servir de debate na Casa da Cultura Njinga a Mbandi, no Rangel
Fotografia: Edições Novembro |

As entradas são livres, uma das questões em discussão no debate está relacionada com a decisão dos filhos para a escolha do namorado ou namorada, quando as famílias divergem em posições políticas, religiosas e culturais.
A narrativa faz alusão a época multipartidária, em vésperas das eleições, o que reforça o conflito entre os pais de Romeu e Julieta, mesmo depois de serem aconselhados quer pelo soba, quer pelo padre.
O realizador explora o que de melhor há no Huambo em termos de paisagens naturais, onde toda a história se desenrola com actores do grupo de teatro Pitabel, entre os protagonistas, e de outros grupos.
Produzida em 2009, na província do Huambo, a curta-metragem “Romeu e Julieta”, de Tomás Ferreira, foi inspirada na tragédia clássica de William Shakespeare, e faz parte do projecto “Angola Chama-te”, que resultou na produção de 12 capítulos.
Embora tenha sido censurada a sua exibição pela Televisão Pública de Angola (TPA), a mensagem da curta-metragem visa, essencialmente, o resgate de valores patrióticos e o amor à pátria.
Co-produzida pela “Walmires Audiovisuais” e a TPA, a curta-metragem é de carácter educativa, visando moldar o comportamento dos cidadãos, envolvendo-os cada vez mais no processo de reconstrução nacional.
Uma obra histórica no universo da dramaturgia angolana, “Romeu e Julieta” é ímpar na sua forma de abordagem de questões políticas, atingindo singularidades da arte cinematográfica: faz eco do que é verosímil.“Romeu e Julieta” é, também, uma obra prima no conjunto da filmografia nacional, por abordar parte da história política recente do país, de forma explícita.
Segundo o realizador, o objectivo é influenciar “psicologicamente o cidadão na sua atitude e forma de pensar, no sentido de torná-lo num verdadeiro obreiro dos programas de reconstrução, cultura da paz e pacificação dos espíritos em curso no país”.
“Hoje nota-se uma grande crise a nível de falta de sentimentos dos cidadãos em relação ao seu próprio país. Fico até com a ideia de que os angolanos sentem-se forasteiros no que se refere a resolução de muitos problemas, deixando que seja o governo a resolve-los”, justificou.
Tomás Ferreira acredita, por outro lado, que a ficção pode ser um verdadeiro veículo de reposição de valores e de consciencialização do cidadão pelos seus deveres e direitos perante a pátria e o próximo.

Casa Njinga Mbandi
A exibição de filmes na Casa da Cultura Njinga Mbandi, no âmbito do projecto “Cinema@Debate”, vai ser mensal, na primeira quarta-feira. No dia 6 de Dezembro, a Casa da Cultura Njinga Mbandi  exibe o filme “Inside Story: A ciência do VIH e do Sida”.
A longa-metragem foi concebida para audiências africanas, combina o melhor da narrativa fictícia e da narrativa real para desvendar o mistério do VIH e doptar milhões de pessoas com os conhecimentos de que necessitam para tomarem decisões sobre a sua saúde.
“Cinema@Debate” teve início em 2015, uma co-organização da APROCIMA, Cinemateca Nacional, com o apoio da União dos Escritores Angolanos e do Instituto Angolano de Cinema e Audiovisual (IACA).
Entre os filmes exibidos se destacam “O Milagre Gerson - A Cura do Cancro”, do realizador americano Steve Kroschel, “A Crença”, de Dorivaldo Fernades,  “A Independência”, de Mário Bastos,  “M’Baku”, de Óscar Gil, “Crianças acusadas de feitiçaria”, de Manuel Narciso “Tontón”, “Inside Story: A ciência do VHI e do Sida”, uma produção sul africana, “Vénus Negra”, do realizador francês Abdellatif Kechiche, “Escape From Luanda”, do realizador escocês Phil Grabsky.
Por outro lado, a Casa da Cultura Njinga Mbandi e a APROCIMA vão ministrar três cursos intensivos de cinema, a partir do dia 20, designadamente Escrita Audiovisual (Argumento e Guião), Produção Cinematográfica e Realização Cinematográfica, fruto de uma parceria de trabalho voltada à formação em cinema.

                                                             Perfil do realizador Tomás Ferreira “Walter”
O realizador
e actor Tomás Ferreira “Walter”, profissional da TPA, afirma-se como o mais produtivo, com duas dezenas de curtas-metragens e as séries “Vanda Lemos”, “Um Homem Nunca Chora”, “Caminhos da Vida”, “O Ninho”, “Feliz Ano”, “Caminhos Cruzados” e “Angola Chama-te". É director de Conteúdos Diários da Televisão Pública de Angola (TPA).
Actor, realizador, guionista e apresentador de programas, o profissional da segunda geração do cinema e audiovisual, entrou para a TPA aos 16 anos, mas não podia trabalhar por causa da idade, um ano depois, começou a colaborar em produção de teleteatro,  “apaixonei-me, então decidi procurar o senhor Carlos Tota, que me levou à estação,  daí nunca mais saí.”
Com mais de 30 anos de trabalho, Tomás Ferreira já realizou diversos programas, como Janela Aberta, O Carrossel e tantos outros, é, também, conhecido como o realizador das tele-histórias,  produz e apresenta semanalmente o programa Stop Sida.
Em 2016, a TPA fez a retransmissão das mini-séries “Um Homem Nunca  Chora”, “Vanda Lemos”, “113”, “Caminhos Cruzados” e “Caminhos da Vida”, o que permitiu vincar a qualidade da produção nacional audiovisual após a independência, assinada por Tomás Ferreira. Discípulo de Abel Couto, um dos proeminentes profissionais da TPA, Tomás Ferreira,abriu o espaço “Kamba do Cinema”, no dia 1, no Centro Cultural Brasil-Angola (CCBA), organizado pela Associação Angolana dos Profissionais de Cinema e Audiovisual (APROCIMA) em parceria com o CCBA. “Kamba do Cinema” visa a passagem de testemunho entre profissionais do ramo audiovisual.
Membro fundador da APROCIMA, Tomás Ferreira é secretário para Marketing e Relações Internacionais, eleito no dia 16 de Agosto de 2014.

Tempo

Multimédia