Cultura

Angola quer que Portugal faça entrega de património

O relatório solicitado à historiadora de arte francesa Bénédicte Savoy e ao economista senegalês Felwine Sar defende a devolução de todos os objectos detidos pelos museus nacionais franceses, dos quais não exista um justificativo de compra consentida.

Museu Nacional de Etnologia em Portugal tem peças angolanas
Fotografia: DR

José Luís Mendonça, jornalista cultural em Angola, disse ao jornal português “Diário de Notícias” que as recomendações são legítimas e admite que esta decisão vai permitir às autoridades angolanas dialogarem com Portugal sobre a restituição do espólio angolano.
E em Portugal? À Direcção-Geral do Património Cultural não chegou ainda qualquer pedido de restituição dos bens culturais que estão em museus portugueses, mas a intenção existe, confirmou a ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, ao Expresso.
Máscaras, artefactos, bonecas, objectos e uso quotidiano podem ser reclamados por Angola ao Estado Português. O Museu Nacional de Arqueologia e Museu de História Natural e da Ciência de Portugal são detentores de alguns destes bens culturais.
“É imperioso que a diplomacia angolana, em colaboração com o Ministério da Cultura e outros departamentos ministeriais, possa dar início a consultas multilaterais com vista a regularizar a questão da propriedade e da posse, por um lado, e, por outro lado, da exploração dos bens culturais angolanos no estrangeiro”, disse Carolina Cerqueira.
Em Portugal, é no Museu Nacional de Etnologia que se encontram mais peças de origem angolana. A maioria resulta das recolhas do antropólogo Jorge Dias e da sua equipa no âmbito das Missões de Estudo das Minorias Étnicas.
O actual director, Paulo Costa, disse ao “Expresso” que o critério de devolução tem “de ser muito bem definido porque pode acabar com os museus como existem actualmente”. E mostra-se tranquilo com a origem das peças que se podem ver na instituição fundada e dirigida por Jorge Dias em 1965, albergando o produto das expedições.
A questão não é nova e foi levantada há quatro anos pela Grécia, que reclama a devolução dos mármores do Pártenon que estão no Museu Britânico. A UNESCO tem sido mediadora no caso. Os americanos do Instituto Smithsonian são os precursores da medida. Em 2010, o Museu de Washington devolveu os esqueletos de mais de 60 pessoas de Arnhem Land, na Austrália. Todos tinham menos de 120 anos.

Tempo

Multimédia