Cultura

Angolanos são convidados para o Sounds From Africa

Toty Sa’Med e A´mosi Just a Label são dois dos músicos angolanos convidados a participar nesta edição do Sounds From Africa, denominado “Series – Online LIVE Show 5”, a ter lugar amanhã, a partir das 19h00, com transmissão em directo nas plataformas digitais.

Toty Sa’Med e A’mosi Just a Label são os dois nomes convidados a participar na presente edição do projecto de música
Fotografia: DR

Organizado pela direcção do Festival Colors of Ostrava, da República Checa, o Sounds From Africa, que está actualmente na quinta edição, tem primado pela descoberta de novos talentos e divulgação de nomes conhecidos do mercado africano.

Os espectáculos são transmitidas nas páginas do Facebook do Festival Colors of Ostrava, no site do SkyRoomLove.com e também nas contas do Facebook e Instagram de A´mosi Just a Label e Toty Sa’Med.

O projecto vai ajudar a dar maior projecção aos artistas africanos convidados, assim como incentivar o desenvolvimento económico e social em África através do empreendedorismo cultural.

Para Ignacio Priego Jimeno (Post Post), um dos membros da organização do festival, que tem como parceiros a Cultural ConnecNons Africa (CCA) e o Festival Colours of Ostrava, o Sounds from Africa deste ano “vai ser completamente inovador e diferente, desde o formato até o próprio espectáculo em si”. “É a primeira série de concertos Live com alcance pan-continental a emergir em território africano”.

Este ano, a organização preparou uma série, diversificada e culturalmente rica, de estilos e géneros musicais, de 17 países africanos para novos públicos em todo o mundo. No elenco desta edição constam nomes como Mokomba (Zimbabwe), Vusi Mahlasela (África do Sul), Yugen Blakrok (África do Sul), tidos como músicos emergentes.

Situação difícil

O director artístico e produtor do Festival Artes & Ritmos, realizado na Catumbela, Benguela, James Jabir Titelman, que também é membro da a Cultural ConnecNons Africa, vê o festival como uma mais-valia para a classe, pelo facto de a “pandemia estár a criar uma situação muito difícil para a maioria dos artistas do continente”.

“Com os locais de entretenimento fechados e os espectáculos cancelados, os músicos estão a usar as plataformas online para se sustentar. O Sound From Africa, apesar de ter nascido para ajudar os artistas em época de pandemia, está a permitir incentivar o intercâmbio cultural”, adiantou.

As performances online, explicou, beneficiam o pú-blico e também os próprios artistas, alguns dos quais estão a ter a oportunidade para co-nhecer e vincar em novos mercados, “sem custos de viagem onerosas”.

A Cultural ConnecNons Africa (CCA), fundada por Walter Wanyanya, em 2019, é uma associação Pan Africana de promotores musicais, directores de festivais, produtores e outros administradores artísticos. Os membros da rede estão localizados em Angola, África do Sul, Namíbia, Botswana, Egipto, Marrocos, Nairobi, Nigéria, Senegal, Uganda, Zâmbia, Zimbabwe e EUA.

O projecto

O Sounds From Africa foi criado como uma resposta directa ao Covid-19, para ajudar a promover a comunicação e a consciência cultural em tempos de isolamento. Embora seja gratuito, a direcção do festival criou um sistema de recolha de bens, através de doações, para apoiar, directamente, os artistas participantes e todos afectados, ?nanceiramente, pela crise actual.

Os artistas participantes nesta edição concordaram em compartilhar uma parte das receitas com a Cultural Connections Africa. Os fundos são colectados e distribuídos pelo parceiro de produção a ConservaNon Music.

A Music Works International, outra das parceiras do festival Sound From Africa, é uma empresa líder no desenvolvimento de artistas em di-gressão, de jazz e blues. Fundada por Katherine McVicker, a em-presa tem colaborado com os melhores músicos e promotores do mundo, para realizar digressões, capazes de levar a criação artística a novos mercados in-ternacionais, em especial a feita por artistas africanos.


Cantores com raízes assentes na tradição

Cantor, compositor e multi-instrumentista, Toty Sa’Med nasceu em Luanda. É um dos principais artistas da Nova Música Angolana, com influências que vão desde o rock ao jazz, com fortes raízes na mú-sica angolana.

O artista que começou a tocar violão cedo, a compor e produzir rap, kuduro e kizomba, demonstrou, ao longo dos anos, uma paixão mais forte pelo semba, em particular da geração dos Ngola Ritmos.

O primeiro EP, “Ingombotas”, chegou ao mercado em 2016, trazendo os clássicos do semba às novas gerações, de uma forma totalmente nova. O músico fez digressões pela Europa e colaborou com vários músicos, como Sara Tavares, em sucessos como “Brincar de Casamento”. Em 2019 lançou o single “Maldita”.

Natural do Uíge, A´mosi Just a Label é oriundo do povo Bazombo, uma família de músicos. Enquanto estudava na África do Sul, inspirou-se na musicalidade global. Em 2014 lançou, como Jack Nkanga, o EP, “Oops!”, com a chancela da editora Konono Soul Music. Com o sucesso tanto em Angola como na Europa criou um estilo próprio, ao qual denominou “new soul”. Ao longo da carreira ganhou vários prémios e foi nomeado diversas vezes. Nos CD e espectáculos, o cantor tem demonstrado uma poderosa conexão com a tradição, a natureza e a inovação.

Com o passar dos anos criou o Konono Soul, um conjunto de ritmos, melodias e harmonias, inspirado no konono, estilo próprio, e outras influências urbanas contemporâneas, criando um som vanguardista com textos e poesia, baseada na intuição humana.

Tempo

Multimédia