Cultura

Artista Keyezua expõe máscaras em São Tomé

A angolana Keyezua é uma das 33 artistas seleccionadas para a 8ª edição da NGOLA- Bienal de Arte e Cultura de São Tomé e Príncipe, que decorre até amanhã.

Obras da artista são expostas em Setemrbo no Canadá
Fotografia: Dr

Aberta a 26 de Julho, a bienal celebra o poder e a beleza das artes e da cultura africanas, assim como a forma como os artistas e designers africanos contribuem para o futuro.
A Bienal apresenta uma geração autoconfiante de artistas africanos que agora estão a transformar, de forma célere, a cultura e a sociedade, e este ano, além de Angola, conta com artistas do Togo, República Democrática do Congo, Uganda, Rwanda, Quénia, Níger, Costa do Marfim, África do Sul, Senegal, Camarões, Benim, Nigéria e São Tomé e Príncipe.
Na Bienal, a artista Keyezua apresenta a série “Fortia”, com imagens que transformam a maneira como se olha e se pensa a incapacidade e como a arte pode ser exibida de forma a capacitar grupos vulneráveis, utilizando a arte como forma de manifestar a dignidade humana.
Este projecto é baseado em experiências individuais que exploram a tristeza, a perda e a sobrevivência. Cada máscara representa a passagem no tempo - eles não têm olhos, nariz, boca ou ouvidos, dando a ideia de como não é ter um corpo pleno.
O design das máscaras contém padrões de desenhos tribais que são usados como linguagem, motivos, formas e cores que revelam em cada máscara a identidade de Keyezua como angolana.
O uso predominante de um vestido vermelho num corpo feminino, romantiza a existência de deficiência e convida os espectadores a visualizar a forma como a sociedade retrata a deficiência física ou emocionalmente, nas artes.
No mês de Setembro, Keyezua desloca-se a Montreal, no Canadá, para participar na 16ª edição da MOMENTA - Bienal da Imagem, que este ano terá como tema “The Life of Things”.
Este ano, foram seleccionados 39 artistas de 20 países que vão apresentar obras em 13 exposições de 5 de Setembro a 13 de Outubro.

Tempo

Multimédia