Cultura

Artistas plásticos apostam na federação

Manuel Albano

Procurar trabalhar para a criação de uma federação dos artistas angolanos, com o objectivo de se dar maior entrosamento e colectivismo entre os membros filiados na União Nacional dos Artistas Plásticos (Unap) são algumas das apostas da actual comissão directiva eleita recentemente.

Nova direcção defende mais união na classe e promete trabalhar para o desenvolvimento
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

O presidente da Comissão Directiva, Manuel de Oliveira “Dudu”, ao discursar na cerimónia de tomada de posse, realizada sexta-feira, em Luanda, referiu que os artistas  devem olhar para a instituição como um lugar de todos, onde cada um deve contribuir para o crescimento da mesma.
Dudu elogiou a maturidade dos membros que têm vindo a crescer ao longo dos anos, factor determinante para a realização de assembleias-gerais dinâmicas e bem organizadas.
 “É importante que estejamos todos envolvidos no sentido de darmos o nosso saber para o desenvolvimento da classe, esquecer as quezílias, e trabalharmos em prol do bem-estar da instituição.”
Outra preocupação é elaborar um programa de acção para tornar a Unap mais forte e coesa, de maneira a deixar um legado positivo às futuras direcções.
Dudu alertou os membros sobre os perigos de se criarem “ilhas”, considerando como uma das dificuldades para a implementação dos programas da instituição.  “Vamos procurar criar uma Federação dos Artistas Nacionais, de forma a fortalecer mais a classe artística no país.” O secretário-geral reeleito, António Tomás Ana “Etona”, reconheceu que o clima de trabalho não é dos melhores e, por esta razão, indicou como uma das medidas o fortalecimento da classe, sem a exclusão de quaisquer membros.
No actual mandato, uma das apostas é continuar com o programa de formação, e dar especial atenção ao imóvel.  Em representação da ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, o director nacional da Acção Cultural, Carlos Vieira Lopes, sugeriu à nova direcção fazer parcerias internacionais.
A implementação da Casa de Cultura a nível nacional, explicou, tem sido uma das apostas do Ministério da Cultura, o que vai permitir dar outra dinâmica às artes, em geral, e em particular, às artes plásticas.
“O Ministério da Cultura vai continuar a acompanhar a Unap e ajudar no que for possível para o desenvolvimento das condições sociais dos seus membros”, disse o director da Acção Cultural.

Tempo

Multimédia