"As 50 Sombras de Grey" supera "Avatar"


21 de Fevereiro, 2015

Fotografia: Reuters

“As 50 Sombras de Grey” pode ser em breve um fenómeno igual ao do romance erótico de E. L. James, que estabeleceu um recorde de bilheteira e ultrapassou o da estreia de “Avatar”, de James Cameron, o mais lucrativo de sempre.

A adaptação do “best-seller” arrecadou receitas mundiais de 218 milhões de euros. No Reino Unido é a mais lucrativa estreia de sempre de um filme para maiores de 18 anos e nos Estados Unidos, a terceira.
Até os piratas informáticos cederam à curiosidade, noticiou a “Variety”, que sublinha que desde a estreia mundial 300 mil hackeres descarregaram ilegalmente uma cópia de baixa qualidade do filme, aparentemente registada com câmara numa sala de cinema.
Este acto de pirataria superou também a feita na estreia de “Guardiões da Galáxia”, das megaproduções de 2014 que registou no mesmo período 198 mil downloads ilegais.
A agência noticiosa France Press destaca que, tendo em conta este cenário, a decisão da produtora Universal em adiar a data da estreia de Agosto de 2014 para o Dia dos Namorados de 2015 provou ser “uma jogada de mestre”.
“É o único filme sobre um romance que levou inúmeros homens ao cinema”, argumentou à agência Gitesh Pandya, editora do site Box Office Guru.
A maioria dos espectadores do filme, 68 por cento, é do sexo feminino. Apesar de os fãs da trilogia de E. L. James assegurarem por si só que a versão cinematográfica da obra era um sucesso, tal não explica o fenómeno gerado nestes primeiros dias de exibição.
Nos Estados Unidos, o primeiro filme da série “Crepúsculo” teve uma quebra de 40,8 por cento no segundo dia de exibição. “As 50 Sombras de Grey” registou uma subida de 21 por cento. Com um orçamento de 40 milhões de dólares, a Universal previa gerar 110 milhões de dólares com o filme realizado por Sam Taylor-Johnson e protagonizado por Dakota Johnson e Jamie Dorman.
Os primeiros resultados demonstraram à produtora que vale a pena avançar para a adaptação dos dois volumes restantes da trilogia. Os especialistas afirmam que perante a euforia dos números se levanta um obstácul. A crítica tem vergastado o filme sem piedade e parte dos espectadores não esconde a desilusão pelo resultado final da adaptação.
No site CinemaScore, que mede a recepção do público aos filmes em exibição, “As 50 Sombras de Grey” tem uma classificação de “C+”, a terceira mais baixa entre as obras em avaliação. “Antecipo um declínio e uma erosão rápida nos próximos dias. Este filme não tem grande capacidade de resistência para continuar”, disse Gitesh Pandya.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA