Cultura

Atraso e ausências mancham a gala

Roque Silva

O atraso de mais de quatro horas marcou, negativamente, a gala de divulgação e entrega dos troféus da primeira edição do Angola Vídeo Music Awards (VMAs), realizada na última sexta-feira, no Centro de Conferências de Belas (CCB), no Futungo, em Luanda.

Halisson Paixão venceu a categoria de artista revelação
Fotografia: Contreiras Pipa| Edições Novembro

Com início anunciado para às 19h00, a gala começou, apenas, às 23h00, debaixo de reclamações, gritos e assobios da plateia que, apesar de exigir explicações, não teve qualquer justificação da organização.
Outro caso insólito teve a ver com o facto de apenas quatro dos 16 vencedores, de igual número de categorias, ter subido ao palco para receber o troféu, como Lioth Cassoma, que venceu o prémio de melhor vídeo de gospel com “Jericó”, TRX, melhor vídeo de grupo com “Ligar para ti”, Trigo Limpo, melhor gueto zouk com “Fortex Tarraxux”.
Os Moikanos, que participam no tema “Oi Mana”, de Scró Q Kuia, receberam o troféu por terem vencido a categoria de melhor afro house/afro beat.
Uma fonte da organização explicou ao Jornal de Angola que o atraso levou muitos dos artistas distinguidos a abandonar a gala, para cumprirem outros compromissos. “Também houve casos de artistas que não compareceram por não estarem no país”, disse.
Por sua vez, o coordenador da iniciativa, Daniel Mendes, disse que o atraso se deveu a falhas com alguns parceiros, que os abandonaram sem aviso prévio. “Resta-nos pedir desculpas pelos transtornos. Infelizmente aconteceram situações alheias à vontade da organização, mas vamos continuar a fazer de tudo para que as próximas edições sejam melhores”, concluiu.

Prémios

A primeira edição do VMAs, na qual concorreram 61 videoclipes em 16 categorias, não teve um artista em destaque (com mais de um troféu). A categoria vídeo do ano foi arrebatada por “Sol Raiar”, de Coreón Dú, enquanto a dupla Yobass, ficou com a melhor direcção, com “Me fizeste como”, e NGA, com “Tatuagens, cicatrizes e diamantes”, obteve a melhor produção.
Matias Damásio ficou com o prémio de melhor vídeo de kizomba, por “Voltei com ela”, enquanto Filho do Zua, com “Chinela de 200”, foi distinguido com o melhor semba. Halisson Paixão foi o vencedor da categoria de artista revelação, por “Alma gêmea”, Anselmo Ralph com melhor vídeo colaboração internacional, por “Subeme La Radio”, Paul G como melhor r&b, com “Flutuar”, Noite e Dia recebeu a distinção de melhor kuduro, com “Lhe avança”, e Vuino venceu a de melhor rap, por “Enrolo todos”.

Tempo

Multimédia