Cultura

Autor do sucesso “Isabel” já repousa no Cemitério de Santa Ana

Manuel Albano

O corpo de Kueno Aionda, falecido na quarta-feira, no Hospital Américo Boavida, em Luanda, aos 33 anos, vítima de doença, foi, ontem, a enterrar, no Cemitério da Santa Ana, em Luanda.

Colegas e amigos acompanharam o músico até à última morada
Fotografia: DR

O intérprete de “Tu vives em mim” e “Isabel” foi acompanhado até à última morada por colegas, amigos e familiares, num ambiente de dor e tristeza. Contrariamente ao cenário de agitação e confusão registado nos últimos tempos, Kueno Aionda foi a enterrar num clima de paz e tranquilidade.

A Polícia criou um aparato para prevenir eventuais distúrbios e as enchentes que se têm registado no cemitério, quando vai a enterrar uma figura pública de renome no mercado musical nacional. Apesar do pouco sol que se fazia sentir, a temperatura estava muita alta e as poucas árvores no local serviam de refúgio para as centenas de pessoas que foram dar o último adeus a Kueno Aionda.
Em representação da classe artística, Don Caetano, no elogio fúnebre, considerou que com a partida prematura do malogrado, o mercado musical angolano fica mais pobre, por reconhecer no cantor “talento invulgar e uma promessa indiscutível da música angolana moderna”.
No elogio fúnebre da família, lido por um irmão, recorda o cantor como uma pessoa maravilhosa, amigo, companheiro, pai dedicado e carinhoso, que sempre primou pela defesa dos valores mais nobres da vida. Músico reconhecido do mercado, tinha uma carreira promissora.

Tempo

Multimédia