Autoridades preocupadas com o silêncio dos grupos

Carlos Paulino | Menongue
20 de Janeiro, 2016

O director em exercício da Cultura no Cuando Cubango manifestou-se, ontem, em Menongue, bastante preocupado pelo facto de  nenhum grupo carnavalesco se ter inscrito para o desfile provincial da 39.ª edição do Carnaval, que se realiza no dia 9 de Fevereiro. 

Pedro Dala João garantiu ao Jornal de Angola  que desde a abertura oficial das inscrições do Carnaval, no passado dia 8 até a data presente a sua instituição não inscreveu nenhum grupo carnavalesco e alguns já anunciaram a sua desistência no desfile provincial, que se realiza no largo 23 de Março, em Menongue.
Pedro Dala João explicou que para fazer a inscrição os grupos devem apresentar apenas uma lista nominal com pelo menos 50 integrantes, para permitir com que a Direcção Provincial da Cultura possa repartir melhor o prémio e o apoio em indumentária para cada uma das colectividades.
Segundo Pedro João Dala, muitos grupos alegam a sua desistência porque foram apanhados de surpresa e que tinham apenas um mês para se prepararem para o desfile provincial.
A falta de recursos financeiros, tendo em vista a crise económica que o país está a viver, devido a baixo do preço do petróleo no mercado internacional, também é apontados por alguns grupos para defender a sua desistência no Entrudo deste ano no Cuando Cubango. 
Na visão de Pedro Dala João, os grupos carnavalescos devem começar a se preparar para a próxima edição do Carnaval no ano anterior, pelo que termina o desfile provincial e não esperar quando estiver a faltar três ou dois meses para a realização do Entrudo.
O responsável do grupo carnavalesco Bloco verde, Munpasi Nsungo Pedro, o mais premiado na província com sete títulos, afirmou que este ano a colectividade que dirige  não vai participar devido a comunicação tardia da realização do Entrudo e a falta de apoio financeiro. 
Munpasi Nsungo Pedro lamentou o facto dos empresários na província não apoiarem os grupos carnavalescos, sobretudo na compra de indumentária para que possam estar melhor apresentados durante o desfile, tendo sublinhado que para se participar num desfile do Carnaval requer muitas despesas, desde a compra de indumentária, alimentação, refrigerante e a distribuição de estímulos aos integrantes.
Já o responsável do grupo União Estrela da Paz, vencedor da edição passada, Francisco Paiva Elavaco, garantiu que apesar da crise económica que o país vive, a sua formação já começou a ensaiar com mais de 120 integrantes e vão participar no desfile provincial.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA