Cultura

Bailarinos em digressão no estrangeiro

Manuel Albano |

O bailarino e professor de dança Adilson Maiza avançou, ontem, em Luanda, que está a preparar uma digressão para os Estados Unidos, em Oregon, em parceria com um produtor e organizador de eventos norte-americano.

Projecto de dança visa a inclusão social dos bailarinos nos bairros onde vivem além da divulgação dos diferentes géneros e estilos
Fotografia: DR |

Integrante do projecto cultural Fenómeno do Semba, o bailarino disse, ao Jornal de Angola, que o objectivo é aproveitar a sua estadia na América para trocar experiências, aumentar o seu nível de conhecimento sobre dança contemporânea e participar em palestras e festivais.
Apresentar um trabalho com recurso às novas tendências e tecnologias, explorando mais as danças tradicionais e fazer fusão de estilos é uma das apostas de Adilson Maiza. Referiu que tem feito pesquisa sobre danças de diferentes regiões do país, com o intuito de as apresentar no estrangeiro.
Elogiou o trabalho que tem sido desenvolvido por outros bailarinos e professores angolanos de dança, residentes na Europa, América e Ásia, que “têm ajudado a promover e a difundir a imagem do país, através das artes, em particular, a dança.”  
Pires Kizomba, outro integrante do projecto, prepara, também, uma digressão para a Europa, onde pretende trocar experiências para a sua profissionalização.
Explicou que, para a concretização desta intenção, conta com o apoio e a colaboração da companhia de dança Esmeralda, criada em França. Durante a sua estadia na Europa, Pires Kizomba vai ministrar palestras e participar em festivais, onde vai procurar interagir com outros bailarinos sobre as suas realidades artísticas e a evolução dos mais variados géneros e estilos de dança. />O bailarino augura o envolvimento de empresários nacionais para apoiar as iniciativas artísticas e culturais dos bailarinos.

Inclusão social

O projecto Fenómeno do Semba, que tem na sua composição os bailarinos Adilson Maiza, Pires Kizomba, Jony Valentino, Manuela Gonga, Telma André e Mariana Azevedo, visa a valorização das danças como um elemento de inclusão social. Um dos propósitos reside na aproximação dos povos, transmissão e valorização das danças nacionais. “O nosso objectivo é permitir que muitas crianças e adolescentes possam ter uma ocupação, evitando que enveredem na delinquência.”
Pires Kizomba disse que o grupo desenvolvido há três anos em Luanda, no distrito da Maianga, aposta na divulgação dos diferentes estilos de dança na capital, realiza palestras e ministra aulas de danças nos estilos semba, kizomba, tradicionais e afro-house. Um outro propósito é despertar a sociedade sobre a importância da dança na valorização e transmissão dos conhecimentos. “Temos procurado interagir com outros grupos, no sentido de enriquecer os nossos conhecimentos.”
Actualmente, referiu, os integrantes do projecto desenvolvem actividades culturais no bairro Mártires do Kifangondo, na Associação 25 de Abril e no bairro da Petrangol, no distrito urbano do Sambizanga, entre segunda e sexta-feira.

Tempo

Multimédia