Cultura

Bamako acolhe Encontros Africanos

A 12.ª edição dos Encontros Africanos da Fotografia de Bamako, considerados como o maior certame consagrado à fotografia e ao vídeo em África, acontece de 30 de Novembro de 2019 a 31 de Janeiro de 2020, na capital maliana, soube a agência Pana junto do Ministério maliano da Cultura, organizador do evento.

Uma das obras malianas divulgadas na Bienal
Fotografia: DR

Vários fotógrafos africanos vão estar presentes em Bamako para expor as suas obras, das quais as melhores vão ser recompensadas com o Grande Prémio Seydou Kéita, em homenagem a um fotógrafo maliano, vencedor da primeira edição realizada em 1996, em Bamako, e hoje falecido. Este ano, o delegado-geral do evento é Lassana Igo Diarra, que, na semana passada, prestou vibrante homenagem à antiga comissária dos Encontros de Bamako, a nigeriana Olibissi, falecida recentemente.
Os Encontros Africanos da Fotografia de Bamako, uma manifestação bienal, foram criados pelo ex-Presidente maliano Alpha Ouma Konaré (1992-2002), para enaltecer as obras fotográficas africanas e promover a fotografia no continente. O certame é financiado pela União Europeia (UE), juntamente com o Ministério francês dos Negócios Estrangeiros e o Governo maliano. Os Encontros de Bamako (Rencontres de Bamako) foram criados em 1994, na capital do Mali, por iniciativa da associação “Afrique en Créations”, com o apoio do Governo maliano, sendo dirigidos nessa primeira edição pelos dois fotógrafos franceses Françoise Huguier e Bernard Descamps.
Em 2017, a Bienal ficou marcada pela colaboração do Instituto Francês na sua produção. Tal como Dak'art, no Senegal, os Encontros de Bamako promovem a criação contemporânea, em que os artistas falam das questões da sua sociedade e da História. Desde as iniciativas da “Revue Noire”, nos anos 90, esse movimento vem crescendo diamente. A este respeito, o Museu de Arte Africana Contemporânea, na África do Sul, promove, também,os artistas africanos.

Tempo

Multimédia