"Boyhood" parte à frente dos primeiros candidatos


29 de Dezembro, 2014

O ritual tradicional das listas dos melhores começa a ganhar velocidade, com o fim do ano a aproximar-se, e no cinema, as primeiras escolhas começam já a ser conhecidas, com “Boyhood – Momentos de uma Vida”, o aclamado filme de Richard Linklater, como “ponta de lança” das escolhas críticas.

Para a revista britânica “Sight & Sound”, que consultou uma centena de críticos e jornalistas internacionais, “Boyhood” é o filme do ano. Na lista seguem depois “Adeus à Linguagem”, “Leviathan”, do russo Andrei Zvyagintsev, “Cavalo Dinheiro”, de Pedro Costa, e “Debaixo da Pele”, de Jonathan Glazer. Na votação dos leitores da revista e do site do British Film Institute, foi “Debaixo da Pele” o vencedor, seguido de “Boyhood” e de “Ida”, do polaco Pawel Pawlikowski.
“Boyhood” é também o filme do ano para os críticos do americano “Washington Post” e da inglesa “Empire”. O top 5 do “Post” completa-se com “Birdman”, de Alejandro González “Iñárritu”, o documentário de Laura Poitras sobre Edward Snowden, “Citizenfour, Force Majeure”, do sueco Ruben Östlund, e “Foxcatcher”, de Bennett Miller.
Na lista da revista inglesa, surgem ainda “Nightcrawler – Repórter na Noite”, de Dan Gilroy, “O Lobo de Wall Street”, de Martin Scorsese, “A Propósito de Llewyn Davis”, dos irmãos Cohen, e “Guardiões da Galáxia”, de James Gunn. A equipa dos franceses “Cahiers du Cinéma” escolheu como filme do ano “O Pequeno Quinquin”, realizado por Bruno Dumont para a televisão francesa, seguido de “Adeus à Linguagem”, “Debaixo da Pele”, “Mapas para as Estrelas”, de David Cronenberg, e “The Wind Rises”, do japonês Miyazaki.
“Adeus à Linguagem” é a escolha de J. Hoberman, antigo crítico da revista “Village Voice” para melhor filme de 2014, seguido de “Vício Intrínseco”, a adaptação de Thomas Pynchon por Paul Thomas Anderson, e “Ida”. As associações de críticos informaram que Nova Iorque, Boston e Los Angeles votaram todos em “Boyhood”.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA