Bradley Cooper interpreta soldado


28 de Dezembro, 2014

Fotografia: Divulgação

O actor Bradley Cooper é rápido em dizer que “American Sniper”, o seu filme sobre o atirador da Marinha, Cris Kyle, não é sobre o conflito no Iraque, mas um estudo de carácter íntimo do impacto angustiante da guerra num soldado e sua família.

O actor duas vezes nomeado para o Óscar, que também é produtor do filme realizado por Clint Eastwood, planeava colaborar com Kyle para levar a sua história para o cinema.
Mas Kyle, ex-peão de rodeio, sobrevivente de quatro missões no Iraque e o atirador mais letal da história da Marinha, foi assassinado perto da sua casa, no Texas, por um veterano descontente, antes que os dois tivessem oportunidade de se conhecer.
“É um filme sobre o que alguém como Chris, um soldado, tem que passar e sobre o dilema, o horror e a batalha interna e com a família”, disse Cooper do filme que teve lançamento limitado no Natal e estreia-se nos Estados Unidos em 16 de Janeiro.
Embora Cooper nunca tenha conhecido Kyle, a esposa deste deu ao actor acesso a e-mails pessoais que o casal trocou durante as suas missões no Iraque e vídeos de família que o actor considerou de valor inestimável para encontrar a essência do soldado.
“Ela abriu a sua vida. Não tivemos que criar nada com a nossa imaginação, literalmente nada. Tudo o que tivemos de fazer foi absorver o que ela nos deu”, disse Cooper, candidato a melhor actor por “Trapaça” e “O Lado Bom da Vida”, em entrevista a jornalistas.
O filme alterna entre cenas de batalha no Iraque, flashbacks da sua infância e regressos difíceis para casa, enquanto o casal tenta lidar com o impacto das experiências de Kyle na sua família.
Cooper afirmou esperar que o filme abra os olhos dos espectadores para as lutas que os soldados enfrentam no campo de batalha e quando retornam a casa.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA