Cultura

Brasil prepara encontro sobre as tradições bantu

O quarto Encontro Internacional das Tradições Bantu (IV Ecobantu) vai reunir de 4 a 6 de Maio, no Memorial da América Latina, em São Paulo, no Brasil, representantes de vários países africanos, da América Latina, das Caraíbas e observadores da Europa, Estados Unidos e Ásia.

Lesliana Pereira que interpreta a soberana do Ndongo e da Matamba no filme “Nzinga Mbandi” é uma das convidadas para integrar a delegação angolana
Fotografia: DR

A ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, e outras personalidades angolanas, já confirmaram a sua presença no encontro de amplitude e dimensão internacio-
nal, algo similar a um Fórum Mundial dos Bantu, que tem como tema “Tradição Bantu no Brasil e África: Cultura, Costumes e Hábitos de Um Povo Transatlântico”.
O IV Ecobantu pretende discutir o legado africano e a sua contribuição na construção do continente latino-americano e em particular do Brasil. Os bantu, oriundos da África central, são a primeira civilização de africanos a aportar ao continente latino-americano.
O IV Ecobantu vai ser desenvolvido através de palestras, conferências especiais, relatos e cantos bantu, com intervenções culturais de “jongo”, “makulelê”, samba de roda, samba de umbigada, tambor de crioula, capoeira Angola e regional, “congada”, além de grupos de danças tradicionais do Gabão e de outros países da África bantu convidados.
O evento é considerado um projecto ousado do  Instituto Latino Americano de Tradições Bantu (Ilabantu), nas palavras da historiadora e fotógrafa Carla Cruz, moradora da zona sul de São Paulo.
“Ecobantu, ao analisarmos pelo viés cultural como historiadora, afirmo que o seu organizador, o Pai Walmir Damasceno “Taata Katuvanjesi”, é um homem ousado, quando se trata do empenho, articulações políticas, sociais e empenho na realização do projecto”, referiu.
Para Carla Cruz, “ao analisarmos pelo viés crença a ousadia, pode ser enxergada como fé. Trata-se de um evento de grande importância às mais diversas áreas, como a académica, cultural, para as comunidades tradicionais e para o fortalecimento da identidade negra, especificamente a dos bantu e sua grandiosa contribuição na cultura afro-brasileira.”
Acrescentou que “fé e ousadia são premissas claras no evento e no seu organizador”.
Em Dezembro passado, em Salvador, palavras semelhantes foram ditas pelas secretarias de Cultura e da Promoção da Igualdade Racial, respectivamente, a professora e actriz Arany Santana e a cientista social Fabya Reis, durante o encontros de ambas com o coordenador geral do Ilabantu, testemunhado por importantes lideranças de terreiros de candomblé Congo Angola da Bahia.
Pela sua dimensão, o certame chamou atenção do Governo do Gabão e o ministro de Estado da Economia, Comunicação Digital, Cultura, Artes e Tradições, Alain Claude Bilie By Nze, responsável pela Educação Popular e Instrução Cívica, e principal porta-voz do Presidente Ali Bongo Ondimba, indicou que o mandatário gabonês está interessado em aparecer pessoalmente na maior e mais importante capital económica do Brasil e da América Latina, para participar do IV Ecobantu.
O ministro adiantou  que o Gabão está disposto a participar no evento  com uma forte delegação, formada pelo Presidente da República, ministros, diplomatas e artistas, que também conta com a presença do mais prestigiado coleccionador de arte clássica africana, o empresário Sindika Dokolo, presidente da Fundação Sindika Dokolo.

Incursão angolana
O Ministério da Cultura deve, para este evento, criar condições a fim de viabilizar a presença de alguns dos principais soberanos angolanos no IV Ecobantu, como o Rei do Bailundo e Ekuikui V. Deverão integrar, também a comitiva, o Rei Buba NVula Ndala Mana (Ndongo e da Matamba) e o poderoso Mfumu Mukongo (Afonso Méndes), substituto do Rei do Kongo e coordenador das autoridades tradicionais de MBanza Kongo, província do Zaire.
Da academia intelectual internacional tem confirmada a presença do professor Patrício Batsîkama, aguardado com grande expectativa para a apresentação de diversos trabalhos de pesquisas e estudos “As origens do Reino do Kongo segundo a tradição oral”.  O historiador pretende abordar, também, outros temas actuais, como “Democracia no Reino do Kongo”, “Sistema político, económico e sociedade, religião no antigo Kongo”.
Lesliana Pereira, antiga Miss Angola, actriz que interpreta o papel da rainha Njinga Mbandi tem presença confirmada. O filme, realizado por Sérgio Graciano e escrito por Joana Jorge, segundo a consultora histórica Isilda Hurst, não se limita aos aspectos históricos que marcaram a vida da rainha Njinga Mbandi.

  “Entender o mundo Bantu para melhor compreendê-lo”

Outra projecção cinematográfica prevista é “Kimpa Vita”. O filme conta a história da mãe da revolução africana, que segundo o seu produtor, Ne Kunda Nlaba, foi uma das maiores líderes africanas, na luta contra a escravidão e pela valorização da identidade do povo bakongo (grupo étnico bantu que vive ao longo da costa centro-africana). Nascida em 1684, Kimpa Vita foi condenada e assassinada.
“Qualquer pessoa que aprende sobre a história de Kimpa Vita fica surpreendido pelo carácter e coragem dela. O mundo precisa saber dela, principalmente o mundo afro-brasileiro e latino-americano precisa saber dos seus feitos, da sua influência”, disse em Londres, Ne Kunda Nlaba, director do documentário, cuja presença está confirmada.
Ne Kunda conta que, quando criança, ouvia sobre Kimpa Vita, mas que nunca aprendeu de verdade sobre a história da heroína angolana na escola. Aos poucos descobriu mais sobre a jovem corajosa de família nobre do Reino de Kongo (região onde hoje estão Angola, República do Congo, República Democrática do Congo e Gabão).
O encontro deve encerrar com o lançamento do primeiro CD Karavana da Saudade, do DJ, actor e produtor angolano Celso Roberto, que deve apresentar-se na companhia de vários outros cantores angolanos e da cantora baiana, Margareth Menezes, da cantora, compositora e sambista carioca, Vilma Rosa, com o seu projecto “É p’ra sambar”.
 O IV Ecobantu 2018 tem como tema principal “Entender o mundo bantu para melhor compreendê-lo – tradição no Brasil e África: cultura, costumes e hábitos de um povo transatlântico”.

Tempo

Multimédia