Cultura

Casa de Angola na Bahia aposta na continuidade

Manuel Albano |

Dar continuidade e reforçar as actividades socioculturais e educativas que promovam a cultura angolana através das artes é o principal enfoque da programação deste ano do Centro Cultural Casa de Angola no Estado da Bahia (CCCAB), no Brasil, garantiu ontem, ao Jornal de Angola, o seu novo director.

Curador de arte e artista plástico Benjamim Sabby
Fotografia: Edições Novembro

A exercer o cargo desde Julho do ano passado, o curador de arte e artista plástico Benjamim Sabby explicou que as acções no ano passado foram base­adas em eventos políticos e socioculturais, com base nas parcerias existentes com instituições públicas e privadas brasileiras.
Durante esse período, assegurou Benjamim Sabby, foram criadas parcerias com  Associação Protectora dos Desvalidos, Universidade Jorge Amado, Secretária Municipal da Reparação (SEMUR), Fundação Pedro Calmon, Espaço Xisto Bahia, Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e Associação Cultural de Preservação do Património Bantu (ACBANTU).
Ao longo dos anos, disse o director do centro, o CCCAB tem sido um espaço, com um ambicioso projecto cultural, trabalhando mais para às comunidades Baianas, na divulgação de temas ligados ao continente africano voltados, sobretudo, para o acervo histórico e cultural.
Benjamim Sabby disse que foram realizadas no Centro Cultural Casa de Angola na Bahia no ano passado 29 actividades culturais e receberam a visita de 28 instituições de ensino, entre escolas e universidades públicas e privadas.
Quanto às actividades extras, lembrou o director, o CCCAB participou em actividades culturais com destaque para a celebração do Dia do Fundador da Nação e Herói Nacional, que foi marcado pela realização uma palestra sobre “Vida, Obra e Legado de Agostinho Neto”, proferida pelo professor e escritor angolano Jonuel Gonçalves.
A celebração do 42º Aniversário da Independência de Angola e do 18º aniversário do Centro Cultural Casa de Angola na Bahia, bem como a realização de uma exposição fotográfica “Angola Actual” dos fotógrafos Jesse Manuel e Chilala Moco, e espectáculos com a participação do Ballet Tradicional Kilandukilu, da Banda Maravilha e do cantor Robertinho foram outros eventos realizados em 2017.
Durante o ano passado, o CCCAB recebeu 2.708 visitantes, entre cidadãos angolanos e estrangeiros residentes na Bahia e de outros Estados do Brasil. Para esse ano,  Benjamim Sabby pretende que o espaço cultural “construa uma identidade mais forte e de constante diálogo com a sociedade”.

Perfil de Benjamim Sabby
O artista plástico Benjamim Mayingue Sabi Alexandre, ou Benjamim Sabby, nasceu em Luanda no ano de 1974 e estudou na Escola Nacional de Artes Plásticas. É bacharel em Sociologia pelo Instituto Superior de Ciências da Educação (Isced), professor de Educação Visual e Plástica, funcionário da Direcção Nacional de Formação Artística, do Ministério da Cultura e actual director do Centro Cultural Casa de Angola no Estado da Bahia (CCCAB), no Brasil.
Membro da União Nacional de Artistas Plásticos (UNAP), é consultor e curador na Trienal de Luanda; foi comissário do Salão Internacional de Exposições de Arte (Siexpo) – Luanda. Como curador independente, já produziu mais de dez exposições. Desde 1999, participa em mostras individuais e colectivas, em países como Angola, Portugal, Alemanha, Cuba, Argélia, Espanha e Bulgária. No mesmo ano, recebeu o prémio cidade de Luanda em Pintura e, no seguinte, a Menção Honrosa Ensa – Arte.
As suas obras encontram-se em colecções particulares e instituições nacionais e internacionais. É um dos cinco artistas angolanos que criaram vinte obras de arte exclusivas para o projecto Blue Arte. Actualmente, dedica-se a retratar o que chama de “novos heróis urbanos” que, segundo o artista, “são os trabalhadores de rua. Lavadores de carros, a zungueiras/os, os vendedores de jornais, as kinguilas, os roboteiros, etc.”. “Retrato-os nas minhas telas e uso os seus utensílios de trabalho, transformando-os em obra de arte”.

Centro cultural realiza “Semana das Artes Angolanas na Bahia”

O Centro Cultural Casa de Angola no Estado da Bahia,  em parceria com a Embaixada de Angola no Brasil, está a preparar a realização da “Semana das Artes Angolanas na Bahia”, um programa de promoção das artes angolanas, através das artes visuais e plásticas, dança, música, teatro, cinema, literatura e gastronomia.
O director do centro realçou também existir uma em parceria com o Movimento Cultural Angolano Jazz no Kubiku-fusion, além de contactos avançados com o Teatro Griot, Henrique Artes, agentes culturais e académicos angolanos e brasileiros.
Além das acções pontuais, recorda o responsável, o CCCAB recebe visitas diárias de pessoas interessadas em conhecer o espaço do Museu Etnográfico, onde se podem ver peças representativas do poder político tradicional, religião, rituais e quotidiano das várias comunidades e povos de Angola. “Tem sido um espaço muito solicitado pelos baianos e por turistas que visitam Salvador”, adiantou.
O Centro de Documentação e Investigação Presidente Dr. Agostinho Neto, conhecida também por Biblioteca da Casa de Angola, também é frequentada diariamente, sendo um dos espaços com vasto acervo de jornais, revistas, livros, DVDs, documentos e fotografias sobre Angola, África e o mundo. Para este ano, está previsto a implementação do projecto “Venha Conhecer Angola”, com objectivo de promover e divulgar a cultura angolana entre estudantes e professores das redes oficiais de ensino das comunidades e municípios da Bahia.
O Centro Cultural Casa de Angola na Bahia foi fundado no dia 5 de Novembro de 1999 e tem como principais objectivos promover e divulgar a cultura angolana e o intercâmbio cultural entre Angola e o Brasil.

Tempo

Multimédia