Cultura

Casa Njinga Mbandi intensifica actividades

Roque Silva |

O filme “Comboio da Canhoca”, do realizador Orlando Fortunato, é exibido às 19h00 de todos os sábados do corrente mês, na Casa da Cultura Njinga Mbandi, no distrito urbano do Rangel, em Luanda.

Anabela Aya actua na próxima quarta-feira à noite no projecto “Cantares da Rainha”
Fotografia: Dombele Bernardo | Edições Novembro

As projecções da longa-metragem, agendadas para hoje e nos dias 21 e 28, fazem parte de um conjunto de acções com o intuito de intensificar e promover a cultura e as artes e de criação nacional e tornar o espaço mais vivo e disponível à comunidade artística.
Os interessados a assistir o filme têm acesso gratuito, numa estreita colaboração entre a Casa de Cultura, o autor e realizador e a Cinemateca Nacional.
O filme conta, em 90 minutos, a história dramática de alguns angolanos com algum prestígio social em Angola detidos pelas autoridades coloniais portuguesas na província de Malanje.
A acção decorre em 1957 e descreve a luta de sobrevivência de 59 detidos, depois do acidente de comboio no percuso Malanje - Luanda, durante a sua transferência de uma cadeia em Malanje para a capital, onde estavam as cadeias da Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE, ex-polícia secreta portuguesa).
A transferência era feita durante a viagem de comboio e a carruagem em que seguiam os detidos descarrila acidentalmente na estação da Canhoca, sem que alguém se apercebesse.
Algemados, pastores, enfermeiros, artesãos, operários e pequenos funcionários são esquecidos no meio do mato durante cinco dias, motivo pelo qual mudam de comportamento até ao conflito aberto entre si, contribuindo para que a catástrofe e a morte se instale.

“Batata Quente”
O colectivo de artes Twabixila apresenta, amanhã, às 19h00, no mesmo espaço, a peça de teatro “Batata Quente”, cujo enredo é dominado por uma discussão entre duas famílias com hábitos e costumes diferentes.
Da autoria de Domingos Manuel “Mito”, adaptação e revisão de Sílvio António Gravata, a peça com 55 minutos centra-se numa reunião familiar agendada de emergência pelos pais das jovens irmãs Mena e Anabela, quando aqueles descobrem que ambas engravidaram de dois irmãos.
Sustentados pelas suas raízes e origens, os progenitores dos casais defendem os seus ideais, o que altera o ânimo das duas famílias. Ainda no encontro, as irmãs enfrentam os seus patriarcas defendendo que devem continuar com os parceiros.
O elenco artístico da peça integra os actores Faustino Miguel, Ângela Fortunato, Adérito Manuel, Joana Borges, Hélder Miguel e Lisandra dos Santos. O grupo Twabixila venceu em 2009 o Prémio Cidade de Luanda.
No seguimento das suas actividades, a Casa da Cultura Njinga Mbandi promove no dia 18, quarta-feira, o projecto “Cantares da Rainha”, com concerto intimista da artista Anabela Aya. Aquele palco tem recebido nomes de referência da música angolana e por ele passaram entre outros, Filipe Mukenga, Gabriel Tchiema, Duo Canhoto, Kizua Gourgel e Toty Sa’Med.
A Casa da Cultura Njinga Mbandi é uma instituição de carácter privado com objectivo de utilidade social e comunitária e que visa proporcionar actividades de índole cultural e artística.

Tempo

Multimédia