Cultura

Celebração do livro e do disco começa hoje na Baía de Luanda

Jomo Fortunato

A décima terceira edição da Feira do Livro e do Disco de Luanda, que este ano decorre a partir de hoje, às 17h00, até domingo sob o signo, “Luanda é Leitura”, abre as portas, com um discurso do governador provincial de Luanda, Sérgio Luther Rescova.

Iniciativa tem como objectivo a promoção e circulação do livro e do disco entre a juventude
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

A Feira do Livro e do Disco de Luanda, projecto privado de interesse público, é uma oportunidade de convívio e intercâmbio cultural, abrindo inúmeras oportunidades comerciais, entre editores, produtores, livreiros e alfarrabistas nacionais. O evento complementa o sistema literário e discográfico, dinamizando um processo que inclui a promoção e defesa dos direitos de autor e conexos, editores, importadores, livreiros, distribuidores e alfarrabistas nacionais.
O projecto tem como objectivos fundamentais a promoção e circulação do livro e do disco, facilitando o seu acesso e circulação num só espaço, proporcionar à juventude angolana, principal público-alvo, e às comunidades estrangeiras residentes e visitantes em geral, o gosto e o conhecimento dos principais referentes culturais no domínio da literatura e da música.
O certame visa reforçar o intercâmbio cultural e comercial entre editores, livreiros, DJ´s, músicos e expositores em geral, alargando e proporcionando o debate sobre questões musicais e literárias, constituindo o resultado do ciclo de palestras e debates, uma fonte de documentação e registo. A Feira do Livro e do Disco de Luanda está compartimentada em ciclo de palestras e debates, tendo como palestrantes personalidades de reconhecido mérito, vários concertos de Música Popular Angolana, recitais de música e poesia em palco livre, destinado a jovens em início de carreira que produzem arte com assinalável qualidade, e sessão de autógrafos com escritores que pretendam promover as suas obras, ao longo dos sete dias do certame. Nos próximos anos, a comissão organizadora da Feira do Livro e do Disco de Luanda pretende que o projecto seja itinerante e de abrangência municipalizada.

Palestras

O ciclo de palestras começa amanhã com a abordagem do tema “História do Ballet Tradicional Kilandukilo”, com o palestrante Maneco Vieira Dias, em sessão moderada pelo historiador Domingos Lopes. Seguem-se os seguintes temas e respectivos moderadores, “Tendências do romance contemporâneo angolano”, Joaquim Martinho, Docente de Introdução aos Estudos Literários, com José Dembo, na condição de moderador, “Processo criativo nas artes plásticas”, Don Sebas Cassule, artista plástico, com Francisco Pedro, jornalista cultural do Jornal de Angola, “Processo de criação poética”, com Bendinho Freitas, poeta, moderação de Pombal Maria, membro da União dos Escritores Angolanos (UEA), e “O processo criativo no livro ‘A Rosa do 29”’, palestrante Avô do Petro, filósofo e poeta, com moderação de Guilherme Paixão, professor e locutor da Rádio Eclésia. O ciclo de palestras encerra domingo com o tema, “Reconstituição histórica da Música Popular Angolana”, cujo palestrante será Analtino Santos, jornalista cultural e colaborador do Jornal de Angola, tema que será moderado pelo também jornalista Raimundo Salvador.

Concertos

Depois da sessão livre de autógrafos, proposta dos editores e livreiros desta edição, o cantor e compositor Cidy Daniel inaugura a temporada de concertos com a interpretação de clássicos da Música Popular Angolana e temas do CD de estria “A música em mim”, seguindo-se nos dias seguintes, as actuações de Costa Maweze, voz e violão, Ângela Ferrão, voz e violão, Anabela Aya e a cantora Érica Nelumba, que encerra os concertos.

Expositores

Estão inscritos para a décima terceira edição da Feira do Livro e do Disco de Luanda, os seguintes expositores, Biblioteca Multicultura, representada pelo livreiro Ernesto Macunda, Bisturi-Angola Livros Técnicos, LDA, União dos Escritores Angolanos (UEA), Irmãs Paulinas, Livraria Cheikh Anta Diop, Novo Chá de Caxinde, editores e livreiros limitada, LS Produções, Movimento Litteragris, Instituto Nacional das Indústrias Culturais, Editora Acácias, Livraria Magas, Editora Where Angola, ISTC, International Angola SucessTraning, Livraria Criativa, Jesus Vive em Mim, Mayamba Editora, Livraria e Papelaria, AMS-Comercial, Comunidade Islâmica de Angola, Projecto Musical de Educação Musical para a Saúde e Livraria Lemos. Aderiram de forma individual, os seguintes cantores e compositores Carlos Lamartinte, Voto Gonçalves, Tonito, Anabela Aya, Cídia Boyoth, Érica Nelumba e os escritores Filomeno Pascoal e Miguel Francisco.

Executivo

O Executivo angolano reconhece a importância estratégica do livro, da promoção da leitura pública, da produção discográfica e do alargamento da rede de bibliotecas. A Política do Livro e da Promoção da Leitura, um documento abrangente que propõe claros objectivos, desagrava as taxas alfandegárias de importação das matérias-primas que intervêm na cadeia de produção do livro.
Apoiando iniciativas do género, o Executivo angolano defende, de forma implícita, a democratização do saber, contribuindo para que o conhecimento seja um factor de acesso ao emprego e de diminuição das assimetrias sociais.

Tecnologias

Apesar dos inegáveis avanços das modernas tecnologias da esfera comunicacional, e ao contrário dos profetas que advogam o fim do livro, onde a escrita alfabética seria substituída por uma cultura de sinais, o livro ainda é a nossa melhor ferramenta de trabalho, de acesso à cultura e o companheiro ideal em todos os momentos.
A construção de bibliotecas públicas, para a fruição da leitura pelos munícipes, e a criação de espaços de lazer cultural, podem inverter a tendência crescente dos números da delinquência juvenil, um mal com que nos deparamos, frontalmente, no nosso quotidiano.

Tempo

Multimédia