Cultura

Censurada Banda Desenhada “Deadpool Max”

Um capítulo da produção em banda desenhada (BD) “Deadpool Max”, cujo lançamento acontece hoje na Rússia, foi censurado por promover o nazismo, indicou a revista “Newsweek”.

No capítulo criticado, o mercenário enfrenta o vilão Baron Zemo, um supremacista branco que, habitualmente, faz comentários anti-semitas e racistas. A personagem costuma elogiar o Holocausto, Adolf Hitler e o Ku Klux Klan.
O autor do livro, David Lapham, incluiu uma nota no final do capítulo com um aviso sobre os comentários de Baron Zemo, referindo que não devem ser interpretados de uma forma positiva. “Eu sei que vocês são leitores esclarecidos que percebem sarcasmo e sátira”, escreveu.
Segundo o jornal digital “Notícias ao Minuto”, o aviso não foi suficiente para que o capítulo fosse aprovado pelo Governo russo, que deu duas opções à editora da BD na Rússia, a Komilfo: “não publicar o livro ou retirar o capítulo”.
“Nos termos legais russos até a sátira pode ser tratada como propaganda. No nosso país há certos limites legais que não podem ser ultrapassados”, explicou Mikhail Bogdanov, director da editora Komilfo, em declarações à Rádio Free Europe. A editora decidiu não publicar o capítulo.

Tempo

Multimédia