Cinema e música nacional levados à Bienal de Veneza


13 de Maio, 2017

Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

Uma delegação angolana chefiada pela ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, seguiu ao princípio da tarde de quinta-feira para a Itália, onde o país vai estar representado a partir de hoje e até 26 de Novembro próximo na 57.ª edição da Bienal de Veneza, com uma exposição que reflecte a trajectória histórica a partir do cinema e da música popular.

Em declarações à Angop no aeroporto de Luanda momentos antes de deixar o país, a directora do Gabinete de Comunicação Institucional do Ministério da Cultura, Marlene Gomes, disse que quatro documentários e uma curta-metragem do cineasta e artista plástico António Ole vão estar em exposição no Pavilhão de Angola.
Sob o lema “Memória Magnética/Ressonância Histórica”, são exibidos os filmes “Carnaval da Vitória”, sobre o primeiro Entrudo de Luanda, em 1978, depois da proclamação da Independência Nacional, e “Ritmo do N’gola Ritmos”, que retrata a actividade de um grupo musical que desenvolveu nas décadas de 50 e 60 do século XX uma actividade cultural de conteúdo nacionalista.
Os documentários “No Caminho das Estrelas”, uma homenagem a Agostinho Neto, primeiro Presidente de Angola, “Conceição Tchiambula, um dia, uma vida”, que retrata a vida de uma camponesa na sua luta diária para manter a família, e o ensaio “Sem Título”, com enfoque em aspectos ambientais e de protecção da fauna, são também apresentados.
Carolina Cerqueira, que é a comissária do Pavilhão de Angola, faz-se acompanhar nesta missão pela secretária de Estado para a Cooperação, Ângela Bragança, e vai juntar-se aos curadores António Ole, Maritza Silva e Paulo Kussy.
Angola conquistou o Leão de Ouro na 55.ª Bienal de Veneza realizada em 2013, na sua primeira participação no certame, pelo conjunto da obra do fotógrafo Edson Chagas.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA