Cultura

Colecção de arte nacional fica online

A colecção de arte do Memorial António Agostinho Neto pode ser vista pelo público, a partir de hoje, “online”, no site da instituição, e na página do Facebook, com o título “Com os olhos secos”.

Fotografia: DR

A mostra, que é o resultado de anos de colecção, é feita no âmbito da readaptação funcional do Memorial Agostinho Neto às alternativas da cultura digital, em especial neste período de Estado de Emergência, devido à pandemia da Covid-19.
A instituição dá, assim, sequência, aos projectos de divulgação da produção na-cional, iniciados o ano passado com colecções de obras de arte, privadas e públicas. Porém, ao contrário das co-lecções privadas que, normalmente, reflectem o gosto do coleccionador e a ma-neira como ele se relaciona com a produção artística e os criadores do seu tempo, as colecções públicas, como é a do Memorial mostra, por um lado, o nível em que se encontravam os artistas na época em que expuseram os quadros. />A colecção mostra, ainda, as preocupações formais, conceituais e estéticas de artistas como Cristiano Mangovo, Guilherme Mampuya, Fineza Teta, Álvaro Macieira, Guizef, Paulo Amaral, Maiomona Vua, Albino da Conceição, Zélia Ferreira e Ernesto Airosa Gonçalves. “Que este embrião seja o começo de uma colecção de que, no futuro, todos nos possamos orgulhar”, destaca em nota a instituição, para quem toda colecção de obras de arte começa sendo, apenas, um embrião.
“Feita principalmente de doações, o conjunto de obras que agora apresentamos é, em parte, testemunho das diferentes exposições que foram acolhidas, nas salas de exposições deste instituto público, desde a inauguração a 17 de Setembro de 2012”, explica o documento.

Tempo

Multimédia