Cultura

Colectivo brasileiro apresenta "Revover"

Manuel Albano

O Colectivo Negro  do Brasil apresenta amanhã, às 18h00, a peça “Revover”, enquadrado na 12.ª edição Festival Internacional de Teatro do Cazenga (Festeca), um espectáculo que é desenrolado à volta da última árvore que restou no mundo, um Baobá (imbondeiro) , onde as personagens (Kizúa e Izô) interpretada pelos actores Raphael Garcia e Flávio Rodrigues,  se encontram.

Grupo do Brasil apresenta uma peça à volta do imbondeiro
Fotografia: Dombele Bernardo | Edições Novembro

De acordo com a sinopse os actores são esquecidos no tempo futuro. Eles procuram reinventar e revoltar às memórias de um passado, procurando corrigir os erros do passado mostrando a sociedade a necessidade de uma maior preservação da natureza, por ser um dos elementos mais importantes a existência e sobrevivência da humanidade.
Raphael Garcia,  estudou na Escola de Arte Dramática da ECA/ USP, onde participou de “Hair- O Musical”, dentre outras montagens. Integrou o elenco dos espectáculos “Frátria Amada Brasil” e “Cindi Hip Hop”, com o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos. Como membro fundador do Colectivo Negro desenvolve pesquisa junto ao grupo, além de realizar outros trabalhos artísticos e ser professor de Língua Portuguesa. É Bacharel em Letras pela Universidade de São Paulo (USP).
Flávio Rodrigues,  é actor formado pela Escola Livre de Teatro de Santo André (ELT). É integrante e membro fundador grupo dedicado a pesquisa de teatro de rua denominado “Companhia dos Inventivos” e do Colectivo Negro.
Dentre os principais trabalhos, destacam-se:  “Quem tem medo de Curupira” do Barata Albina,  direcção artística de Zeca Baleiro e Debora Dubois, “Nekropolis”, dramaturgia de Roberto Alvin e direcção artística de Gustavo Kurlat (2009).

Tempo

Multimédia