Cultura

Comunidade Khoisan corre risco

Lourenço Bule | Menongue

A directora provincial da Cultura do Cuando Cubango, Carla Cativa, afirmou terça-feira, em Menongue, ser necessária,urgentemente, a integração sócio-cultural da comunidade Khoisan, vulgo Kamussekeles, para que não se perca a sua essência cultural.

Mosaico cultural dos Khoisan no Cuando Cubango corre o risco de desaparecer em breve
Fotografia: Nicolau Vasco | Edições Novembro-Menongue

Carla Cativa, que falava à margem das celebrações do Dia da Cultura Nacional, disse que se não for resolvido atempadamente este problema, a comunidade Khoisan pode desaparecer e, consequentemente, as suas expressões culturais.
De acordo com a responsável, a Direcção Provincial da Cultura do Cuando Cubango é a favor não só da diversidade cultural mas também do conhecimento das diferenças culturais, visto que “a democracia da cultura que configura a nossa política civilizacional impõe o diálogo inter e intra-comunitário, sem esquecer que nos inserimos em contextos regionais onde se recebe fluxos culturais”.
Na província do Cuando Cubango, disse, nasceram e continuam a florescer as mais belas tradições culturais e artísticas do país, tais como as artes plásticas e esculturas de máscaras produzidas no interior da região.
“São igualmente uma referência obrigatória o artesanato artístico e utilitário, artes decorativas visíveis nas paredes das habitações e nos artefactos de uso doméstico, como cabaças, moringues, panelas de barro, meios de caça e de pesca”, adiantou. Carla Cativa que apelou aos empresários, agentes culturais e órgãos do poder local, no sentido de jogarem um papel fundamental na organização e enquadramento desta  actividade, viabilizando a inserção destes produtos no mercado nacional e internacional.
A responsável disse que está persuadida de que no processo histórico angolano surgiram , também, nas outras comunidades elementos que forjados ao longo de gerações uniformizaram-se, dando um sentido de identidade colectiva e de continuidade.
“São estes os elementos que dão corpo e sentido à an­golanidade e que se expressam nas nossas maneiras de sentir e estar perante o mundo e a vida, na nossa actividade quotidiana e nas criações do espírito que realizamos”, disse.
Para Carla Cativa, “o Dia da Cultura Nacional é uma data privilegiada para que os autores, artistas, agentes culturais e todos os criadores de arte mostrem as suas obras e o vigor das suas potencialidades ao mesmo tempo que realizam intercâmbios culturais e reflectem sobre conceitos e caminhos que trilhamos neste domínio, que é um elemento fundamental que dá corpo e sentido à nossa existência como Nação”.

Valores culturais

O vice-governador para os Serviços Técnicos e Infra-estruturas, Bento Francisco Xavier, disse na oportunidade que a cultura está directamente ligada a um conjunto de valores, hábitos e costumes, vivêencias e experiências passadas de geração a geração que podem ser manifestadas através da dança, arte, música, língua, ciência e crenças.
Bento Francisco Xavier salientou por outro lado que “a cultura de uma determinada sociedade pode igualmente consistir na soma total de ideias e reacções emocionais convencionadas aos padrões de comportamento habitual que os seus membros adquirem por meio de interacção”.
O mosaico cultural do Cu­ando Cubango é bastante vasto e rico, tendo em conta a variedade étnica existente que, no total, estão subdivididos em sete. Por isso, o vice-governador Bento Francisco Xavier defende que \" o resgate dos valores morais e cívicos deve continuar a fazer parte não só da estratégia do Governo, mas também de todos os agentes culturais , população em geral e, fundamentalmente, das igrejas”.

Tempo

Multimédia