Cultura

Concerto “Crime Zero” reconcilia Os Lambas

Amilda Tibéria

“Crime Zero” é a denominação do espectáculo que Os Lambas realizam, a 21 deste mês, a partir das 18h00, no Estádio dos Coqueiros, em Luanda, para saudar os 18 anos da fundação do grupo, que se comemora no mesmo dia.

Fotografia: DR

Afastados há oito anos, período em que cada integrante do grupo abraçou a carreira a solo, Nagrelha, Bruno King e Andeloy (Lambas) regressam aos palcos reconciliados, para o primeiro grande concerto.
Ao falar, em conferência de imprensa realizada quarta-feira, no edifício Kilamba, em Luanda, Andeloy afirmou que a denominação do concerto serve para incentivar os jovens a absterem-se da delinquência e seguirem o caminho correcto.
Na mesma senda, Nagrelha frisou que, além do convite da promotora Sambi Eventos, surgiu entre os integrantes do grupo a ideia de realizarem “um concerto memorável”, no sentido de os fãs não se esquecerem dos Lambas, grupo de referência a nível nacional e internacional. “De salientar que a união não é só para este primeiro grande show, mas para anunciar o regresso aos palcos dos Lambas”, disse o kudurista.
Nagrelha anunciou, ainda, que o grupo gravou uma música, a ser apresentada em primeira mão no espectáculo, cujo título só será divulgado na actividade. Para além desta novidade, no espectáculo, serão interpretados temas do grupo e dos discos “Nunca é Tarde”, de Bruno King, e “Arquitecto da Paz”, de Nagrelha.
Bebo Clone, da Sambi Eventos, promotora da iniciativa, confirmou a participação no espectáculo dos músicos Bruno M, Noite e Dia, Ary, Yuri da Cunha, Yannick Afroman, Os Xtrubantu e o grupo de humor Os Tuneza.
“Não foi fácil unir os Lambas para este concerto, visto que o grupo está com pequenas desavenças, mas, pelo consenso e irmandade, que ainda reinam entre eles, foi possível”, afirmou Bebo Clone.
O grupo Os Lambas havia cessado as funções em 2014, quando Bruno King se afastou do colega, motivado por constantes desentendimentos. Ambos apostaram em carreiras a solo.
Os Lambas ficou popularmente conhecido em 2001 por cantar o estilo mais mediático da nova geração, o kuduro, e por ter carisma capaz de agradar e arrastar multidões.

Tempo

Multimédia