Conferência de Berlim debatida no Dia de África

Jomo Fortunato |
1 de Junho, 2015

Fotografia: Eduardo Pedro

No âmbito do ciclo de actividades em alusão ao 25 de Maio, dia de África, a Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto propôs a debate o tema “Conferência de Berlim do século XIX dedicada à África: Mitos e realidades sobre a sua relevância na constituição dos estados do continente”, matéria dissertada pelo Professor titular da Faculdade de Medicina, Carlos Mariano Manuel.

A conferência, que decorreu no Anfiteatro principal da Faculdade de Ciências Sociais, contou com a presença do Embaixador de São Tomé e Príncipe em Angola, Armindo Brio Fernandes, e dos decanos das Faculdades de Economia e Ciências Sociais, da Universidade Agostinho Neto, respectivamente, Fausto de Carvalho Simões e Victor Kajibanga. Bastante concorrida, a conferência, teve a participação activa de estudantes, docentes e figuras ligadas ao mundo académico.
Ao longo de cerca de noventa minutos de exposição, o professor Carlos Mariano Manuel apresentou, de forma detalhada e com requintes inéditos de profundo método de investigação científica, os factores conjunturais globais, africanos, europeus e particulares do império alemão, vigentes no século XIX, que propiciaram a realização da Conferência de Berlim, e sua importância à compreensão da historiografia da época moderna do continente africano.
Na sequência, Carlos Mariano Manuel referiu-se aos Países, e seus representantes, participantes à Conferência de Berlim, o Programa da Conferência, incluindo o desenvolvimento e jogos diplomáticos que conduziram à fundação do ex-Estado Livre do Congo, Estado privado do Rei Leopold II da Bélgica e precursor da actual República Democrática do Congo.
Ficou-se a saber, de igual modo, sobre as rivalidades entre os estados europeus no séc. XIX que tiveram a sua repercussão em solo africano, particularizou o facto de a Portugal ter sido imposta, à margem da Conferência de Berlim, mas com ela coincidente no tempo, a fronteira noroeste de Angola com a actual República Democrática do Congo, facto que criou, arbirtrariamente, a descontinuidade territorial com a nossa actual província de Cabinda. Por último, o conferencista apresentou documentos iconográficos, um dos quais a disposição dos conferêncistas no interior da sala onde se realizou a Conferência de Berlim, que consubstanciaram os aspectos mais relevantes, referidos no decurso da exposição.

Histórico

Realizada entre o dia 19 de Novembro de 1884 e 26 de Fevereiro de 1885, a Conferência de Berlim teve como objetivo organizar, na forma de regras, a ocupação de África pelas potências coloniais o que resultou numa divisão que não respeitou, nem a história, nem as relações étnicas e mesmo familiares dos povos de África. Proposto por Portugal e organizado pelo Chanceler Otto Von Bismarck da Alemanha, participaram na Conferência de Berlim os seguintes países: Grã-Bretanha, França, Espanha, Itália, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Estados Unidos, Suécia, Áustria-Hungria e o Império Otomano.

Mulemba

O ciclo de actividades em alusão ao dia de África, serviu de pretexto para o lançamento do volume IV, nº 7, de Maio de 2014, da “Mulemba”, Revista angolana de ciências sociais, da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto, que está no mercado com o tema geral: “Os múltiplos desafios para as Ciências Sociais e Humanas na busca de novos paradigmas”, em que participaram estudiosos da faculdade, e especialistas convidados. Em relação às alterações desta edição, Virgílio Coelho, Director Executivo da revista, escreveu o seguinte no texto de apresentação: “O presente número da nossa revista apresenta-se com nova roupagem. Em primeiro lugar, foi redefinido e aumentado o seu Conselho Científico, alargando-se a outras individualidades e instituições académicas, resultando obviamente num alargamento do seu espectro geográfico e de experiência científica e pedagógica, dando-lhe mais responsabilidades e também mais espaço entre nós...”

Colecção

A ausência de bibliografia referencial de Estudos Africanos, em língua portuguesa, nas academias dos países anglófonos e francófonos, motivou o surgimento da “Coleccção Reler África”, coordenada pelo Decano da  Faculdade de Ciências Sociais, Professor, Victor Kajibanga, que escreveu o seguinte na nota de apresentação dos livros publicados: “A colecção publicará obras, textos e artigos compilados de reconhecidos autores africanos e africanistas, que contribuam para a compreesão e a reinterpretação do continente africano. Além de apresentar uma visão endógena, de dentro do continente, a colecção está aberta à comunidade científica internacional que tem o continente africano, como objecto da sua pesquisa”. A ocasião foi aproveitada para o lançamento dos livros “A consciência histórica africana”, de Babacar Mbaye Dipo e Doudou Dieng, apresentado pelo Professor, Almerindo Jaka Jamba, “Unidade cultural da África Negra”, de Cheikh Anta Dipo, apresentado pelo Professor Américo Kuononoca, e “Renanscença africana”, organizado por Malegapuru Wiliam Makgoba, e aprtesentado pelo professor, Paulo C. Faria.

Citação


Carlos Mariano Manuel entende que a história comum dos povos africanos dever servir para promover a unidade do continente, tendo reforçado a sua tese com uma citação do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, plena de pertinência e profunda sabedoria, extraída do discurso proferido na abertura da Cimeira extraordinária da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos, no dia 18 de Maio de 2015: “O melhor caminho para o desenvolvimento e bem estar das nossas populações é a via da concórdia, do entendimento e da reconciliação e a adopção de planos de desenvolvimento adequados à nossa realidade histórica”.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA