Cultura

Contributo do cantor Fedy reconhecido pelos lobitangas

A contribuição na promoção e divulgação da música angolana, ao longo de quase três décadas e meia de carreira artísticas do músico Fedy, natural de Benguela, foram reconhecidos no último fim-de-semana pelos populares da cidade do Lobito, com uma homenagem na Casa Rosa Promoções.

Músico recebeu distinção
Fotografia: António Escrivão | Angop

Enquadrado nos festejos dos 104 anos da cidade do Lobito, que se comemorou no passado dia 2 de Setembro, a homenagem à Fedy, cantor pertencente a geração de ouro da música angolana pós-independência, contou com a participação de Flay, Zé Viola e António Pedro Manuel,  nome artístico de Tony do Fumo Júnior, filho do malogrado Tony do Fumo, que interpretaram vários temas do seu reportório.
Visivelmente emocionado com a distinção, Fedy agradeceu o jeito da organização dos festejos dos 104 anos da cidade do Lobito em reconhecer os seus feitos no “music hall” angolano, ao longo das quase três décadas e meia de carreira artística, iniciada em 1983.
“Toda a equipa que trabalhou na escolha do meu nome para ser homenageado este ano nos festejos dos 104 anos da cidade do Lobito, os meus profundos agradecimentos, porque as homenagens são significado do reconhecimento do nosso trabalho”, frisou.
Natural da província de Benguela, Alfredo Domingos (Fedy) nasceu no bairro do Caputo, no município da Catumbela, no dia 24 de Agosto de 1964 e  começou a dar os primeiros passos na carreira artística em 1983.
Autor de “Kalupeteka”, Fedy é detentor de um vasto reportório de canções que retratam o sofrimento pelo qual passou na adolescência, o período em que chegou a engraxar sapatos e vender cana-de-açúcar na rua para sobreviver. Tem no mercado os discos: “Cacimbada” (1994), “Ombembwa” (2001), “Kalupeteca” (2002), “Tchikuelume” (2005) e “Ohali” (2014).
Jesus Silva | Lobito

Tempo

Multimédia