Criadores angolanos reconhecidos no mundo

Manuel Albano
15 de Junho, 2016

Fotografia: Paulino Damião

As mais recente criações de artistas plásticos nacionais  acabam de ganhar uma maior visibilidade no mercado internacional com o lançamento ontem, em Luanda, do projecto de arte “Imago Mundi”, que consiste num catálogo com quadros de pintura.

Durante a apresentação da colectânea “Core e traços de Angola”, no salão de exposição Internacional da instituição, o presidente da mesa da Assembleia-Geral da União Nacional de Artistas Plásticos (UNAP), garantiu que esta parceria com a fundação Benetton, sedeada em Itália, está a dignificar as artes plásticas, em particular, e as artes de uma forma geral.
Manuel António de Oliveira “Dudu” reconheceu que  o projecto permitiu criar uma maior aproximação e união entre a classe artística, dando a possibilidade das artes e criadores angolanos serem melhor conhecidos internacionalmente.
O também artista plástico explicou que a participação dos criadores angolanos com os seus trabalhos publicados no catálogo da “Imago Mundi” aumenta a responsabilidade de todos, no sentido de primarem pela qualidade das suas obras em próximas parceiras. “A conquista de outros mercados é uma grande satisfação, mas também aumenta as nossa exigências na melhoria da qualidade das obras”, disse.
O secretário-geral da UNAP, um dos prefaciadores da colectânea “Core e traços de Angola”, agradeceu o empenho e apoio do presidente da República, José Eduardo dos Santos, no incentivo de se criarem políticas que promovam e salvaguarde os interesses da cultura nacional.
Tomás Ana “Etona” disse existir um processo de desenvolvimento das artes plásticas, que têm o apoio do Ministério da Cultura, através da titular da pasta, a ministra Carolina Cerqueira, que tem trabalhado directamente com a UNAP, nas questões ligadas às artes no geral e as artes plásticas, em particular. A doação de obras de artistas plásticos angolanos ao Ministério da Cultura, que devem pertencer ao Património Nacional, ainda este ano, é uma das acções programadas pela  direcção da UNAP.
A grande vantagem dessa parceria, disse Etona, é a comunicação que o catálogo visa transmitir, sobre a criatividade de vários artistas, permitindo às pessoas “viajar em vários pontos do universo e tornar as artes plásticas nacionais conhecida mundialmente”, disse Tomás Ana “Etona”.
A direcção, disse Tomás Ana “Etona”, teve de se adaptar á actualidade e fazer mudanças de mentalidade, administrativas, equipamento e produção de trabalho, no sentido de proporcionar melhores condições de trabalho aos funcionário e ajudar aos artistas. O objectivo do projecto de arte, explicou Tomás Ana “Etona”, foi catalogar pinturas de criadores angolanos, assim como inspirações e ideias, para  transmitir às gerações vindouras. 
“A requalificação do edifício e continuar a dar maior dignificação dos artista nacionais no mercado interno e internacional é a nossa aposta”, garantiu Etona.

Palestra

“Direitos de autor, Conexos e Propriedade Intelectual” é o tema de um encontro que se realiza na próxima quarta-feira, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM), em Luanda, dentro deste projecto artístico, por iniciativa da UNAP.
O programa de actividades inclui a realização em Julho de uma homenagem a um artista plástico angolano, acto com periodicidade quinzenal para incentivar a troca de experiências em tertúlias.
A vice-presidente da Mesa da Assembleia da UNAP,  Josefina  Emmanuel “Odaly”, garantiu que a instituição vai continuar a trabalhar juntos dos associados, no sentido de uma maior abertura e recolha permanente de sugestões que facilitem a comunicação e o diálogo entre os artistas em todos os países.
Josefina  Emmanuel “Odaly” disse que a dinâmica de instituição se deve à entrega e envolvimento que os artistas plásticos têm mostrado, o que está a permitir uma maior interacção entre os seus membros.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA