Cultura

Criadores devem apostar noutras áreas de formação

Roque Silva

A directora artística e bailarina norte-americana Asha Thomas aconselha os artistas nacionais a adquirirem noções de gestão, marketing e jurídicas, por formas a obterem uma carreira proveitosa e segura.

Quarteto americano promove concertos e palestras em Luanda
Fotografia: Edições Novembro

A directora do projecto Dawn’s Early Light, afirmou, ontem, quando dissertava sobre “Gestão e Promoção de Companhia Artística”, no Elinga Teatro, que essas valências vão conferir capacidade de discutir com propriedades questões de produção, contratuais e orçamentais.
Em Angola desde a semana passada, a bailarina considerou indispensável o domínio das técnicas de comunicação, edição de vídeos e tecnologias de informação, por jogarem um papel fundamental para auto-promoção das criações.
Cada artista, disse, deve tirar o máximo proveito das ferramentas de comunicação têm a sua disposição na internet, para vender o seu produto.
Quanto as dificuldades de acesso a patrocínios, a artista norte-americana, que está em Luanda para uma série de iniciativas de troca de experiências sobre empreendedorismo cultural, propõe o uso de dinheiro próprio.
“Somos um projecto de artistas multifacetados e com carreiras individuais, que acabou por conquistar o mun-do devido a determinação, pois acreditamos nas nossas valências, apostamos o nosso dinheiro e fomos atingindo conquistas”, explicou Asha Thomas.
Além de Asha Thomas, o projecto Dawn’s Early Light integra outros oito artistas, três bailarinas, dois cantores e quatro instrumentistas, sendo que estiveram presentes apenas quatro, num projecto da Embaixada dos Estados Unidos em Angola,  que visa ajudar os jovens e artistas angolanos em técnicas e estratégias de auto-promoção. As Maurícias e as Seycheles são o próximo palco do quarteto.
Durante a sua estada em Luanda, o quarteto actuou no Palácio de Ferro e na Casa de Cultura do Rangel “Njinga a Mbande” e ministrou palestras sobre como se reinventar profissionalmente, acrescentar valor à actividade artística, de modo a se tornar exportável e como transformar uma companhia de arte em negócio lucrativo.
O quarteto ofereceu a possibilidade de a plateia ter aces-so ao coração e alma da cultura americana por meio da música e da dança, interpretando sucessos e melodias intemporais, tanto contemporâneos quanto clássicos, de autoria de Jackson 5, Stevie Wonder, Solange Knowles e Bruno Mars.

Tempo

Multimédia