Cultura

Grupo Horizonte leva à cena a peça “Momentos e Beijos”

Manuel Albano

A Companhia de Artes Horizonte Njinga Mbande, uma das mais populares no país, apresenta hoje, às 20 horas, no palco da Liga Africana, em Luanda, a peça de teatro “Momentos e Beijos”, da autoria do dramaturgo brasileiro Nélson Rodrigues.

Horizonte Njinga Mbande exibe hoje à noite, na Liga Africana, a peça “Momentos e Beijos”
Fotografia: Contreiras Pipa| Edições Novembro

O espectáculo é levado à cena no âmbito das actividades da terceira edição do Circuito Internacional de Teatro (CIT), que decorre até o dia 17 de Setembro na capital do país, sob o lema “Trazen-do o mundo para Angola e levando Angola para o Mundo”, enquadrado no projecto “Cultura para todos”.
“Momentos e Beijos” relata realidades de uma sociedade perversa e consumista. Revela um quadro de conflitos, desconfianças, intrigas e ciúmes. A peça mostra também a ambição de subir na vida, sem olhar a meios para atingir os fins.
A personagem Heitor tenta vingar-se de forma subtil da mulher que o traiu, enquanto Mendes vê no amigo o seu único meio de sair da miséria.
Durante a peça de aproximadamente uma hora, os actores do Horizonte Njinga Mbande procuram aproximar o enredo à realidade angolana, a exemplo da personagem Raimundo que trocou a mulher pelo trabalho em plena lua-de-mel.
O autor da peça, Nelson Rodrigues, foi um escritor, jornalista e dramaturgo que revolucionou o teatro no Brasil com várias peças, como “Vestido de Noiva”, “Boca de Ouro”, “A Falecida” e “Toda Nudez Será Castigada”. Teve a carreira marcada pela crítica, ao explorar a vida quotidiana do subúrbio brasileiro, com crimes, incesto e diálogos carregados de tragédia e humor.
A companhia de teatro Horizonte Njinga Mbande foi fundada a 8 de Outubro de 1986 por Adelino dos Santos Caracol, em Luanda. É constituída por professores e estudantes de vários níveis de ensino e possui uma estrutura profissional que garantem a produção dos espectáculos semanalmente.
O Horizonte Njinga Mbande considera que a arte deve ser tratada com toda a seriedade e profissionalismo, pelo que têm consigo o espírito empresarial na sua estrutura e por isso prestam diversos serviços nesta área, criando assim um “ensaio” para uma potencial Indústria do Teatro. No âmbito da promoção, resgate e defesa do teatro em Angola, constam do seu vasto currículo vários prémios.

Mistério do Miragens
O grupo Miragens Teatro entra em cena no sábado à mesma hora e local, com a peça “Tem um morto na minha cama”, que narra a história de uma mulher, que após enviuvar e receber uma boa parte da herança, casa-se novamente com um homem de negócios.
Ao fim de cinco anos, descobre que o marido afinal não faleceu e reaparece deixando a mulher em pânico. A mulher decide então tirar partido dos dois lados, porque não abandona o empresário que a satisfaz financeiramente.
No meio de várias peripécias para recuperar a mulher, o primeiro marido descobre uma pasta com informações valiosas que vai levar a um desfecho inesperado.
Criado a 7 de Junho de 1995, o Colectivo Miragens Teatro dedica-se ao teatro de intervenção social, com valor técnico, estético e crítico, que lhe permitiram conquistar uma das edições do Festival Nacional de Teatro.

“Amor à Arte”
“Escrito nas Estrelas” é o título da peça de teatro do grupo Amor à Arte a ser exibida no domingo, na Liga Africana, na programação da terceira edição do Circuito Internacional de Teatro.
O espectáculo descreve a história de um ancião, criador de gado, que mata inocentemente um jovem por lhe ter furtado um boi.
O grupo Amor à Arte tem um vasto repertório, no qual se destaca o espectáculo dramático “A Bela e o Mostro”, com que venceu o Prémio de Teatro Municipal da Samba. Em 2016, ganhou o Prémio Nacional de Cultura e Artes, na modalidade de teatro. O grupo foi fundado em 2 de Agosto de 2007.

Tempo

Multimédia