Cultura

Incentivada a formação de bailarinos

Manuel Albano |

A melhoria da qualidade dos espectáculos nos mais variados géneros de dança passa, fundamentalmente, por uma aposta contínua na formação e incentivos à pesquisa, defendeu, ontem, em Luanda, o secretário de Estado da Cultura, Cornélio Caley.

Conferência “Passos cruzados” realiza um espectáculo com uma coreografia montada com bailarinos de todos os géneros e estilos de dança
Fotografia: DR

O responsável disse que caso se verifique gradualmente a materialização dos programas vigentes nas políticas culturais, tais medidas podem e vão continuar a influenciar para o aumento e melhoria da qualidade da produção das coreografias apresentadas nos mais variados estilos de dança do mosaico cultural nacional.
Na sua mensagem sobre o Dia Internacional da Dança, que hoje se comemora, data instituída em 1982 pelo Conselho Internacional da Dança (CID), entidade criada sob a égide da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), o secretário de Estado sublinha que o Ministério da Cultura vai continuar a apostar em diversos projectos na área da dança e no apoio à aplicação na produção de obras no domínio artístico.
A efeméride, recorda, tem como principal objectivo trazer uma reflexão em relação à sua valorização. “O Ministério da Cultura pretende expressar os seus agradecimentos pelo empenho e dedicação demonstrados pelos vários grupos de dança, escolas e associações de todo o país e encoraja-os a comemorar condignamente este dia”, destacou.
Angola, explica, é um país novo, mas a dança faz parte das tradições, é antiga no território e representa também “o símbolo cultural do seu povo.” O Ministério da Cultura agradece  a todos os cidadãos que contribuem de forma directa ou indirecta para valorizar esta arte.  “É preciso que a celebração deste marco seja um facto, tanto em meio urbano, quanto em meio rural.”

Criação artística debatida

A criação nas danças folclóricas como obra de arte, ferramentas básicas para composição coreográfica nas danças recreativas e a dança no processo do ensino e aprendizagem são algumas das principais preocupações apresentadas durante a primeira conferência “Passos cruzados”, que, durante uma semana e até hoje, decorre no Museu de História Natural, em Luanda.
O coordenador do projecto Corrente Dançante, Maneco Vieira Dias, disse ontem, ao Jornal de Angola, que o balanço é positivo por permitir aumentar os conhecimentos técnicos e teóricos dos grupos de dança, sobre elementos para produção de espectáculos de dança e direcção artística.
No encerramento da conferência, disse, está previsto a entrega de certificados e uma homenagem a uma das maiores referências da dança em Angola, que deve ser apenas anunciada no local, pelo contributo prestado ao longo dos anos para o desenvolvimento e a afirmação nos mais variados géneros de dança no país.
Ao longo da conferência, registou-se a adesão de bailarinos, um número acima dos 70 participantes, que também frequentaram as oficinas e palestras. No período das 14h00, está programada a realização de um espectáculo, culminando com o testemunho de bailarinos de várias gerações.
A coreografia, que foi o cartaz fundamental da actividade, destacou, tem permitido administrar aos participantes novos conhecimentos e técnicas sobre o processo evolutivo das danças tradicionais e contemporâneas.

Tempo

Multimédia