Preparativos continuam com um bom ritmo

Manuel Tomás | Sumbe
30 de Janeiro, 2015

Fotografia: Fernando Camilo | Sumbe

A poucas semanas do Carnaval, os preparativos no Cuanza Sul seguem num bom ritmo, com a inscrição, até ontem, de 20 grupos, entre adultos e infantis, prontos a lutarem pelo título deste ano, informou o responsável pela direcção da Cultura, Manuel Rosa da Silva.

Este ano há mais grupos em relação às edições anteriores. No ano passado desfilaram 14 grupos. Manuel Rosa da Silva acrescentou que as inscrições continuam abertas. Os grupos estão a aprimorar a coreografia, a dança e as canções, cujos temas traduzem a sinistralidade rodoviária, o combate à pobreza, a delinquência juvenil, a violência doméstica, a Sida e outros problemas das comunidades.
O director provincial da Cultura anunciou a introdução de uma inovação no desfile deste ano, a ter lugar dia 17 de Fevereiro, na Avenida Marginal do Sumbe: “Os grupos candidatos têm de realçar as danças tradicionais típicas da província, como o kilapanga, katambi, chingange e kangondó”.
“Os grupos já estão a preparar as suas coreografias com base nesta orientação”, disse. O desfile provincial é antecedido da exibição dos grupos de dança tradicional.
Manuel Rosa da Silva explicou que há dez anos está em carteira a criação de uma Associação Provincial do Carnaval para ser o interlocutor entre o Governo e os grupos.
“É preciso que haja uma maior comunicação entre ambos, de forma a garantir um espectáculo único, no qual a tradição, a identidade local e os vários costumes locais tenham espaço para se imporem”, disse.
Incentivou o empresariado local a apoiar os grupos, a fim de minimizar as dificuldades que enfrentam nos preparativos da festa. O mesmo apelo foi extensivo aos moradores dos bairros onde se concentram os grupos.
“A falta de apoios financeiros é um dos maiores entraves para a maioria dos grupos carnavalescos da província, porque a feitura das roupas e de outros adereços que garantem um bom espectáculo custam muito caro”, lamentou o responsável.

Mais ensaios


Alguns responsáveis dos grupos disseram ao Jornal de Angola que como restam poucos dias para o Carnaval, há mais ensaios. A responsável do grupo “Cruzeta da Assaca”, Margarida Alberto Francisco, visivelmente satisfeita, disse que o grupo está determinado a superar a quarta posição alcançada na edição anterior, por isso aposta tudo nos ensaios e na composição das musicas.
O grupo, explicou a responsável, nunca arrebatou, desde a sua fundação em 2007, um título. Ocupou sempre as posições até ao quarto lugar, facto que anima o grupo a lutar: “Queremos dar uma alegria aos apoiantes do bairro.”
Margarida Alberto Francisco sublinhou que além do material disponibilizado pelo Governo local, os residentes do bairro da Assaca, assim como algumas entidades particulares apoiaram o grupo com doações.

União Muteda

O grupo carnavalesco União Muteda do Sumbe foi o vencedor da edição passada, com 372 pontos. Arrebatou 800 mil kwanzas e um diploma de mérito.
O grupo Fineza do Inconcon, do Sumbe, ficou com a segunda posição, com 368 pontos, e recebeu 650 mil kwanzas.
Nas posições imediatas classificaram-se os grupos carnavalescos União Mundo da 7ª Velha da Gabela, do Amboim, com 362 pontos, e o Cruzeta da Assaca, com 309 pontos, enquanto na quinta posição ficaram as Heroínas da Assaca.
Na classe infantil o vencedor foi o grupo carnavalesco Futuros da Fineza do Inconcon, do Sumbe, com 389 pontos, na segunda e terceira posições ficaram os Heróis da Assaca e Futuros do Cruzeta da Assaca  , ambos do Sumbe.

Seminário no Bié

A Direcção da Cultura do Bié promoveu, ontem, no Cuito, um seminário de actualização do regulamento do Carnaval 2015, que contou com os representantes de nove municípios.
No acto de abertura do seminário, o director da Cultura, Álvaro Gilberto Alves, sublinhou que o objectivo é transmitir aos dirigentes dos grupos informações sobre s novos regulamentos desta edição.
“É preciso prepararmos os integrantes dos grupos para realizarem uma festa condigna, na qual o público possa identifcar mais traços das suas raízes.”
Entre as inovações figuram, disse, a integração de 100 ou mais elementos em cada grupo infantil e 200 para os de adultos. Álvaro Gilberto Alves disse que outra inovação é cada grupo incluir as diversidades culturais e etnolinguísticas da região, com o intuito de consolidar e preservar a identidade nacional.
“Queremos fazer do carnaval uma festa mais abrangente e participativa, por isso decidimos aumentar o número de integrantes em cada grupo”, destacou.
O local do desfile central vai sofrer alteração, porque agora passa a ser realizado na Praça da Solidariedade, local construído pelo Governo do Bié.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA