Disco traz a público vivências dos angolanos


5 de Novembro, 2014

Fotografia: Kindala Manuel

O retrato do quotidiano “coisas vividas” dos cidadãos relativamente ao amor destaca-se nas mensagens das letras das músicas do disco “A Fada do Amor” de autoria da cantora Yola Araújo, lançado no fim-de-semana, em Luanda.

Colocado ao dispor do público em dupla sessão, sábado e domingo (Praça da Independência e Casa da Juventude), a cantora caprichou nas letras e na rítmica e trouxe aos seus fãs um cardápio cheio de mensagens de amor.
A cantora referiu que contou com os préstimos de Dji Tafinha, Punidor, Anselmo Ralph, Matias Damásio, Johnny Ramos Warent e C4 Pedro.
A cantora fez saber que com este trabalho pretende transmitir paz harmonia, reconciliação e auto-estima entre as vivências diárias.
Lembrou que a obra foi produzida pela LS Republicano e comporta 14 músicas cantada em português e inglês nos estilos kizomba, zouk e afro house.
“Foi muito difícil elaborar este disco, por isso o fiz com muito cuidado. Isso também em função do mercado concorrido que se tornou o nosso. A credibilidade que ganhamos com muito esforço e dedicação é exigida sempre que nos aventuramos num trabalho novo, com este não foi diferente”, disse a cantora.
O disco “A Fada do Amor” é mais um do baú Yola Araújo aos inéditos, quatro anos após ter publicado “Em Nome do Amor”, álbum que abarca os sucessos “Eu Faço Tudo” e “É Hoje ou Nunca”.
Natural da Lunda Sul, Yola Araújo começou a sua carreira em 1997, quando fazia coro para outros artistas, actividade que lhe deu a oportunidade de entrar no meio musical. Em 1999 integrou, juntamente com Margareth do Rosário e Djamila D’elves, o grupo  Melomanias, um projecto do produtor Beto Max.
O seu primeiro álbum a solo, intitulado “Sensual”, editado pela Giva Produções, dos cabo-verdianos Gil e Vado Semedo, saiu a público em 2000. Com o segundo trabalho discográfico “Um Pouco Diferente”, lançado em 2004, Yola Araújo arrebatou um disco de prata, pela venda de 50 mil cópias, dentro e fora de Angola. O disco foi, na altura, um dos mais ouvidos pelo público jovem e um dos mais tocados nas casas nocturnas, e teve produção musical de Heavy C e Johnny Ramos, e as participações de Ali Angel e Os Quatro.
Em 2006 publicou o terceiro disco, “Diferente e Mais um Pouco”, que contou uma  vez mais com as participações de Heavy C e Johnny Ramos, e as produções de Johnny Fonseca, Grace Évora, Nelson Freitas, Jerry Charbonnier e Gregório Custos.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA