Diversidade cultural explorada em obras de pintura


10 de Outubro, 2015

Fotografia: Paulino Damião

A promoção da diversidade cultural e étnica de Angola é um dos focos das obras do Cristiano Mangovo, que fazem parte da exposição “Guiadores”, inaugurada na quinta-feira no Memorial António Agostinho Neto, em Luanda.

O exercício do equilíbrio de poder e as suas contradições numa sociedade que em constante mudança também são exploradas em “Guiadores”, assim como as duvidas que advêm das transformações sociais.
A exposição, constituída por 27 pinturas e três esculturas, está patente até o dia 25. A curadora da mostra Sónia Ribeiro disse que a mostra revela igualmente “o lado mais contemporâneo do artista expresso no estilo hiper-realismo e em temas mais globais”. A curadora afirma que “a mostra permite também reconhecer a importância da autonomia e da independência sobretudo do pensamento”.
“O artista mostra também a urgência do desenvolvimento, através de valores humanos e sociais”, referiu a curadora.
Sónia Ribeiro disse que “o artista explora ainda a evolução no contexto dos países em vias de desenvolvimento” e salientou os quadros “Business as usual”, “Dalai Lama” e “Papa”, por “permitirem a tomada de consciência sobre a capacidade e responsabilidade dos líderes de promoverem a paz”.
“A paisagem africana de hoje oferece novas formas de reflexão e de diálogo em todos os aspectos. Mudança, velocidade e surpresa são constantes nos seus quadros. Energia, urgência e emoção, uma presença fértil em todo o seu trabalho”, declarou.
Cristiano Mangovo, nascido em 1982, em Cabinda, fez o curso de Humanidades Artísticas e obteve em 2003 o diploma de Estado no Colégio das Belas Artes Esfora, na área da pintura.
O artista fez os estudos superiores na Academia de Belas Artes de Kinshasa. Além disso teve uma formação particular no atelier do artista Narciso Simambote.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA