Dossier Mbanza Congo na UNESCO


31 de Outubro, 2014

Fotografia: Domingos Cadência

A coordenadora do projecto  “Mbanza-Congo, Cidade a desenterrar para preservar”, Sónia Domingos, informou ontem que o dossier para a candidatura da antiga capital do Congo ao Património Mundial da Humanidade já foi remetido à sede da UNESCO, em Paris.

O documento enviado à UNESCO, explicou à Angop, tem dados mais detalhados sobre os elementos culturais, materiais e imateriais, que conferem a Mbanza Congo valor universal excepcional para a sua inscrição no Património Mundial.
A responsável disse que entre os dados enviados constam ainda uma apresentação do quadro histórico de Mbanza Congo e um inventário dos bens patrimoniais existentes na cidade.
Os mecanismos legais à protecção do património cultural e o plano de desenvolvimento do município de Mbanza Congo, a apresentação da geomorfologia e climatologia da região também fazem parte dos dados enviados.
A arqueóloga angolana disse que aguarda-se pelas eventuais recomendações daquele organismo das Nações Unidas para enriquecer o dossier, caso seja necessário. Neste momento, as atenções estão viradas para a elaboração do plano de gestão de risco em caso de catástrofe natural, por orientação da UNESCO.
“Geralmente, os Estados membros da UNESCO são aconselhados a reforçarem as competências dos seus técnicos, na implementação de um plano de gestão de risco em caso de catástrofe natural”, adiantou.
As primeiras iniciativas para o reconhecimento internacional de Mbanza Congo remontam desde 1988, com a realização da primeira Mesa Redonda Internacional sobre o Congo, em que participaram especialistas da comunidade científica nacional e internacional. O colóquio internacional sobre “Salvaguarda e promoção do património histórico cultural angolano”, que teve lugar em Paris, em 2004, sob os auspícios da UNESCO, e a mesa redonda internacional, realizada em 2007, denominada “Mbanza Congo - Cidade a desenterrar para preservar”, ajudaram neste processo.
Entre as demais acções já realizadas destacam-se a elaboração do plano de gestão e de conservação, a delimitação e classificação do centro histórico de Mbanza-Congo, e a definição de zonas de protecção e tampão, levantamento arquitectónico da cidade e do património imaterial.
As escavações dos sítios, a inventariação e classificação do património arquitectónico e cultural, as pesquisas documentais em arquivos internacionais (Vaticano, Bélgica, Itália, Brasil, Portugal, Holanda e França) também fazem parte das etapas vencidas do projecto.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA