Duas gerações unem o talento em festival


22 de Abril, 2015

Fotografia: Reuters

Lady Gaga e Tony Bennett são este ano as principais atracções do Festival de Jazz de Montreux, que se realiza de 3 a 18 de Julho e é considerado dos mais importantes da Europa.

O programa inclui vários músicos veteranos como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Santana, Herbie Hancock, Lionel Richie e Lenny Kravitz, mas também Sam Smith, vencedor do Grammy deste ano.
Lady Gaga e Tony Bennett juntam talentos no dia 6, no Auditório Stravinski, para apresentarem as faixas do disco de jazz “Cheek to Cheek”.
“É a união entre veterano e a rainha do Pop, algo que se encaixa em Montreux.”, disse à Reuters o director do Festival, Mathieu Jaton, após a programação ter sido anunciada na cidade suíça de Lausanne.
Esta é a segunda vez em 49 edições que o festival tem a direcção de Mathieu Jaton, que sucede ao fundador da actividade Claude Nobs, já falecido.
 “É raro contar com Caetano Veloso, mas vê-lo e ouvir com Gilberto Gil num dueto é algo muito especial”, salientou.
Chick Corea e Herbie Hancock são presenças constantes, mas desde 1979 não se juntavam em Montreux, declarou.
John Legend, que recentemente conquistou um Grammy pela canção “Glory”, do filme “Selma”, abre o festival. Mary J. Blige e D’Angelo compartilham o palco cinco dias depois. Sam Smith, George Ezra e Sbtrkt são parte uma “invasão britânica”. Todos actuam no “Montreux Jazz Lab Venue”.
 Jack Garratt, tocou teclados, guitarra e bateria no espectáculo do anúncio dos artistas que participam no festival, actua no dia 10. “Sou uma banda de um homem só, tudo que preciso é de uma bateria nas costas e pratos nos joelhos”, afirmou à Reuters o músico londrino, que apresentou ‘The Love You’re Given”, tema do seu mais recente álbum de original, “Synesthesiac”.

Novas estruturas

O Montreux Jazz Festival submete a sua estrutura anterior a um novo “design” permanente, com novas salas e uma variedade de concertos gratuitos, num repertório renovado.
O Auditório Stravinski, um colosso acústico, que precede a sua grandiosa reputação, teve algumas alterações, particularmente no aspecto acústico, para melhorar a qualidade dos espectáculos. No palco do recinto já actuaram artistas conceituados, como David Bowie, James Brown, BB King, Carlos Santana, Björk, Radiohead, Leonard Cohen, Deep Purple e Prince.
Outra inovação é o Montreux Jazz Lab, uma plataforma totalmente nova, feita para ser uma mistura de experiências audiovisuais. As mudanças nos palcos, explicou a organização, foram feitas como resposta ao desejo de Claude Nobs quando criou o festival e queria um local capaz de fazer referência às suas raízes e criar novamente autênticas experiências sonoras.

A festa

O Festival de Jazz de Montreux começou em 1967 por iniciativa de Claude Nobs, Géo Voumard e René Langel, que tiveram também a colaboração de Nesuhi e Ahmet Ertegün da editora discográfica Atlantic Records. A primeira edição, realizada durante três dias, no Montreux Casino, teve apenas músicos de jazz. Dessa época destacam-se as apresentações de Keith Jarrett, Bill Evans, Nina Simone, Jan Garbarek e Ella Fitzgerald.
A partir da década de 1970, o festival passou a incluir outros géneros musicais, como blues, soul, rock e música brasileira.
Na década de 1980 cresceu bastante e apesar de continuar privilegiar o jazz, ampliou mais a variedade de géneros a apresenta artistas de pop e rock. Devido ao seu crescimento passou a realizar-se no “Convention Cente”. Hoje, o festival prolonga-se por duas semanas e atrai cerca 300 mil pessoas.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA