Cultura

Dumay Missete realiza concerto

Mário Cohen

Com o objectivo de valorizar e divulgar mais os estilos musicais desenvolvidos em algumas regiões de Angola, o promotor Dumay Missete, em parceria com a Fundação Sindika Do­kolo, realiza no dia 9 de Fevereiro, às 19h30, no Palácio de Ferro, sede da Trienal de Luan­da, um espectáculo de dança e música ancestral.

Dilangues do Ambaca é uma das bandas em destaque
Fotografia: Cedida

O espectáculo faz parte do projecto cultural “Kuimba ni Kukina”, expressão quimbundo, que em português significa “cantar e dançar”, que tem sido levado a cabo pelo promotor Dumay Missete com a finalidade de dar projecção a música ancestral e aos seus fazedores.
O mentor do projecto disse ao Jornal de Angola que a dança e música ancestral são ainda ritmos e estilos considerados por muita boa gente como bailados de gentios, razão pela qual defende que se não houver promoção e divulgação, à semelhança de outros géneros como kizomba, semba e kuduro, este estilo pode desaparecer um dia.
Preocupado com o desaparecimento deste estilo, o mentor do projecto “Kuimba ni Kukina” recorreu ao vice-presidente da Fundação Sindika Dokolo, Fernando Alvim, e ao produtor João Vigário que abraçaram de imediato a ideia de manter vivo a música e dança ancestral.
O concerto tem a duração de 3h30 e vai apresentar uma diversidade de estilos musicais das regiões do Cuanza-Sul, Cuanza-Norte e Malanje, pela actuação dos grupos Kumby ly Xya, da Kibala (Cuanza Sul), Dilangues do Ambaca, de Camabatela (Cuanza Norte) e Kieto Uva Sanguele ki Wenji, de Cacuso (Malanje).
Os três grupos já se encontram em Luanda, onde têm ensaiado no local do espectáculo. A primeira banda a subir ao palco do Palácio de Ferro vai ser o grupo Kumby ly Xya, composto por cinco elementos, que surgiram no mercado com vista a valorização da música ancestral, principalmente a da região da Kibala.
O grupo tem uma variedade de estilos como xirimina, kixindica, kingôxa e kiango zuza, ritmos que constam das suas canções e  que fazem parte dos dois discos que estão  no mercado, o “Viva a Paz”, gravado em 2008, e “Xinga Wanga” (Inveja e Feitiço).
Depois do Kumby ly Xya, segue o grupo Kieto Uva, originário da terra da palanca ne­gra gigante, composto por seis elementos entre compositores e guitarristas, num espectáculo que é encerrado pelo Dilangues do Ambaca, um grupo com muita experiência e tradição neste estilo.O Kieto Uva, que prepara o seu primeiro disco, surgiu do projecto “Kuimba ni Kukina”, em Outubro de 2011, tendo como fonte de inspiração a província de Malanje. Fundado por Domay Missete, o director artístico e agente.
O Dilangues do Ambaca,  composto por seis elementos, nas suas actuações tem priorizado  a interpretação dos temas “Soba Yeto”, “Cabota”, “Muhatu”, “Massadina”, “Milembo”, “Suzana”, “Zungueira” e “Handy ya Kuma”.

 

Tempo

Multimédia