Cultura

Embaixador de Cabo Verde quer reforço do intercâmbio

O embaixador de Cabo Verde em Angola, Jorge Eduardo Figueiredo, manifestou, quarta-feira, em Luanda a necessidade do reforço “da ponte cultural” entre os dois países, através de acções ligadas ao intercâmbio e troca de experiência entre os agentes e criadores culturais.

À semelhança da cidade histórica de Mbanza Kongo, Cabo Verde decidiu apoiar outras candidaturas angolanas para a Lista do
Fotografia: Garcia Mayatoko | Edições Novembro | Zaire

De acordo com o diplomata, que falava à Angop no final de uma audiência concedida pela ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, os laços culturais entre os dois povos merecem outro impulso.
A intenção, segundo o embaixador, é a promoção dos bens artísticos, nos mais diversos domínios, em particular o centro histórico de Mbanza Kongo, classificado Património Mundial.
Jorge Eduardo Figueiredo defendeu que os dois países devem criar e desenvolver o mercado comum das artes, cultura e indústrias criativas, no  âmbito da cooperação bilateral. Apontou ainda a disponibilidade de Cabo Verde apoiar Angola no processo de candidatura do Tchitundo Hulo, Corredor do Kwanza e do Cuito Cuanavale a Património da Humanidade.
Por seu turno, a ministra Carolina Cerqueira, que considerou positiva a cooperação com Cabo Verde, manifestou a disponibilidade para estreitar os laços de cooperação com vista à internacionalização da cultura e divulgação do vasto património angolano.
Em 2018, os ministros da Cultura de Angola e de Cabo Verde assinaram uma declaração de intenção com o intuito de estabelecer um mecanismo de intercâmbio que promova a partilha de experiências e sinergias, bem como a troca de conhecimentos em áreas como a gestão museológica, gestão arquivística e de bibliotecas, direitos de autor e conexos, desenvolvimento do Carnaval e a certificação internacional de artesanato.
Os ministérios dos dois países pretendem, também, promover a troca de experiências no domínio da regulação das indústrias criativas e colaborar na criação de um programa de Bolsas de Acesso à Cultura com base na experiência de Cabo Verde.
Angola e Cabo Verde comprometem-se a  trabalhar em conjunto para que, com a maior brevidade, seja assinado um acordo de cooperação no domínio das artes, cultura e indústrias criativas, e criação de um grupo de trabalho que estabeleça as linhas orientadoras da cooperação, que reúna anualmente e alternadamente para acompanhamento dos programas executivos estabelecidos, bem como garantir a presença regular de artistas e agentes culturais de diversas áreas nos eventos organizados pelos governos dos dois países. A nível bilateral, Angola e Cabo Verde têm rubricados cerca de 40 instrumentos jurídicos, entre os quais acordos, convenções e memorandos.

Tempo

Multimédia