Empresa ENSA valoriza as artes

Jomo Fortunato |
19 de Outubro, 2015

Fotografia: Paulo Mulaza

Foi anunciada, em conferência de imprensa, a abertura da décima terceira edição do Prémio ENSA-ARTE, da Empresa Nacional de Seguros de Angola, que este ano vai realizar duas exposições, uma das quais comemorativa dos quarenta anos da Independência de Angola, com o espólio da colecção da seguradora ao longo da sua existência, e outra que resultará de uma selecção do conjunto das obras inscritas ao prémio.

Em relação ao simbolismo da exposição que vai comemorar os quarenta anos de independência de Angola, Manuel Gonçalves, Presidente do Conselho de Administração da ENSA, fez lembrar na ocasião o seguinte: “A ENSA possui, inquestionavelmente, um dos maiores acervos disponíveis e representativos da história da arte angolana. Por esta razão, queremos marcar presença nas comemorações dos quarenta anos da independência de Angola, evidenciando e mostrando, através desta exposição, o trabalho que, com muita criatividade, tem sido feito por ilustres artistas plásticos angolanos ao longo das mais variadas edições do Prémio ENSA-ARTE, e que  têm conseguido, através da sua arte, registar as várias manifestações da vida social, económica e política de Angola”.
Destinado a cidadãos angolanos residentes no país e no estrangeiro, bem como de cidadãos estrangeiros residentes legalmente em Angola, o Prémio ENSA-ARTE é organizado a cada dois anos, nas modalidades de pintura e escultura, e compreende as categorias de Grande Prémio, Prémio Juventude, Prémio Especial Província e Prémio Alliance Française de Luanda.

Histórico

Importa realçar que três factores influenciaram a criação do prémio ENSA-ARTE de pintura: a ausência de uma instância de valorização das artes plásticas depois daindependência nacional, a necessidade de comemorar os aniversários da empresa com uma prestigiada programação cultural, e a vontade de incentivar e premiar a criatividade artística angolana.
Instituído em 1991, o Prémio ENSA-ARTE começou com a pintura, tendo sido integrada depois a modalidade de escultura, em 1996, quando o concurso passou a Prémio ENSA-ARTE. A ideia da criação do prémio foi motivada por uma exposição realizada, em 1992, por sete pintores angolanos: Viteix, primeiro artista premiado, Henrique Abranches, Augusto Ferreira, Jorge Gumbe, António Ole, Telmo Vaz Pereira e José Zan Andrade. O Prémio existe há vinte e quatro anos, tendo sido realizadas doze edições. No entanto, a colecção ENSA-ARTE como tal, existe há 17 anos, tendo começado com a designação de ”Prémio ENSA de pintura”, através da maturação de uma ideia que surgiu em 1990, na sequência de uma exposição colectiva de sete prestigiados pintores: Victor Teixeira, “Viteix”, Henrique Abranches, Augusto Ferreira, Jorge Gumbe, António Ole, Telmo Vaz Pereira e José Zan Andrade.
O grande prémio ENSA-ARTE, nas categorias de escultura e pintura, está avaliado em um milhão e 500 mil kwanzas, e as menções honrosas serão premiadas com material profissional de pintura. As inscrições para a 13ª edição do prémio ENSA-ARTE abriram no passado dia 12 de Outubro, e vão até ao dia 15 de Janeiro de 2016. Os critérios de pré-selecção das obras a serem premiadas, terão em conta: a dimensão da obra, peso, composição, e finalização estética. À volta da realização do Prémio ENSA-ARTE de pintura e escultura, a organização prevê a realização de uma grande Exposição denominada “Obras do acervo artístico da colecção ENSA”, que  acontece dia 5 de Novembro, no Centro Cultural Brasil-Angola, em Luanda, no âmbito das comemoração da Independência de Angola.

Gerações

Actualmente a colecção da ENSA inclui pintores da velha Geração: Viteix, António Ole, Tomás Vista, Van, Jorge Gumbe, Masongi, Mpanda Vita, Augusto Ferreira, Délio, Ndunduma, Marcela Costa, Zan Andrade, Telmos Vaz Pereira, Paulo Jazz, Raúl Indipwo e kyel, da geração Itermédia: António Gonga, Mayembe, Quissanga, Nunes, Luandino, Etona, Mampwia, Kiana, Hildebrando de Melo, Fineza Teta, Peregrino Santana, Pina, Pedro Dala, Tchombé, Pierre, Tchivinda, Miguel Gonçalves, Ntangu, Alvaro Macieira, Sabby e Dafranca, e da nova geração: Sozinho Lopes, Ventura, Zizi, Sónia Lukene, Marcos Kabenda, Lino Damião, Kamutu, Landa Yeto, Vemba,Toko, Angelo de Carvalho, Mayomona Vua, José dos Santos, Kapuka, Kioni, Sidónio, Luis Domingos, e José Mununga.

Internacionalizações

Quatro exposições marcaram o processo de internacionalização do Prémio ENSA-ARTE: a participação na 55ª Bienal de Veneza, Itália, em 2013, a exposição no Museu Pré-histórico Etnográfico Luigi Pigorini, em Roma, Itália, em 2014, a mostra no Palácio Marquês de Pombal, em Oeiras, Portugal, em 2014, e a participação na Expo-Lisboa, com a mostra, “Metamorfoses contemporâneas”. O ENSA-ARTE foi distinguido com um diploma de honra, atribuído pelo Ministério da Cultura, pelo contributo na preservação e divulgação da cultura angolana. A celebração de uma parceria entre o Prémio ENSA-ARTE e a Alliance Française resultou na atribuição de uma bolsa de residência a artistas angolanos, numa das academias de arte, em Paris, durante 30 dias.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA