Entrega de prémios e um megaconcerto com duas gerações

Roque Silva |
12 de Novembro, 2015

Fotografia: João Gomes

O reconhecimento pelo trabalho dos artistas e investigadores nacionais que durante anos ajudaram a promover e valorizar a identidade culminou, terça-feira, no Cine Tropical, em Luanda, com a entrega dos galardões aos vencedores desta edição do Prémio Nacional de Cultura e Artes.

O Vice-Presidente da República, Manuel Domingos Vicente, em representação do titular do Poder Executivo, entregou o prémio ao músico Rui Mingas, ao escritor José Luís Mendonça, ao artista plástico António Gonga, aos realizadores José Rodrigues e Nguixi dos Santos, ao investigador Ilídio do Amaral, ausente da gala, onde foi representado por Virgílio Coelho, ao grupo Julu e aos Novatos da Ilha.
Antes da cerimónia de entrega dos prémios, uma estatueta e um diploma de mérito, a organização apresentou um vídeo com as declarações do júri sobre a escolha de todos os vencedores.
Depois de receber o  galardão, o cantor e compositor Rui Mingas dedicou o mesmo ao falecido irmão André Mingas, por ter sido uma das pessoas que muito o incentivou a cantar e ter reconhecido o seu talento artístico.
O artista, que musicou o Hino Nacional de Angola, considerou o momento especial, por ser um período de reflexão e mostrar o quanto já foi feito ao longo destes 40 anos de independência.
O produtor José Rodrigues,   distinguido na categoria de Audiovisuais, com Nguxi dos Santos, pelo documentário, “Landigila”, considerou a distinção o coroar de um desafio a que se propôs enfrentar. “Estou convencido que prémios como este nos incentivam a continuar a trabalhar com a mesma determinação.” 
O director artístico do grupo Julu vê o prémio como a consagração do seu trabalho. Para Lourenço Manuel, a escolha do júri representa o reconhecimento do país, por tudo o que fizeram em prol das artes cénicas. “É também uma amostra que ajudamos a melhorar o país através do teatro.”
A gala, enquadrada no festejos dos 40 anos da independência, contou ainda com a exibição de espectáculos de dança, teatro e música. Os Novatos da Ilha, grupo que foi distinguido na disciplina de dança, mostrou ao público a razão da sua escolha.
O grupo Os Novatos da Ilha,  dirigido no espectáculo por Jaburú, o único sobrevivente da primeira geração do conjunto, foram muito aplaudidos no final da sua actuação, assente em coreografias de rebita. O grupo de dança Pende, outro dos convidados da cerimónia, apresentou uma mistura de danças de varias das regiões das Lundas Sul e Norte e de Malanje.
Além da dança, o teatro também marcou presença com o colectivo Protevida a exibir a peça “Angola 40 anos”, que conta um pouco do percurso do país e exalta as conquistas alcançadas em vários domínios.
A música esteve representada pelas duplas Gari Sinedima e Toty, o Duo Canhoto e Gabriel Tchiema.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA