Escolhidos quadros para a Expo Milão

Manuel Albano|
1 de Fevereiro, 2015

Fotografia: Paulino Damião

O comissário-geral adjunto do pavilhão de Angola na Expo Milão 2015, Ditutala Lucas Simão, garantiu em Luanda que estão a ser criadas as condições para o país ter uma das melhores representações.

Em declarações ao Jornal de Angola, no final duma visita a uma exposição de arte, patente no Salão Internacional da União Nacional dos Artistas Plásticos (UNAP), para seleccionar os quadros dos criadores angolanos a serem expostos na Expo, disse que as obras reflectem os padrões exigidos para esta edição.
A multiplicidade de ideias apresentada nas obras reflecte “a riqueza gastronómica do país e apresenta os vários elementos representativos da cultura angolana com a imagem de símbolos típicos da identidade nacional”.
As obras patentes, adiantou, reflectem também o programa de actividades de Angola. “Os criadores conseguiram apresentar temas pertinentes. Os seus trabalhos representam ainda a cultura ancestral e contemporânea de Angola”, disse.
Ao longo da Expo, realçou, o país leva as origens e a diversidade cultural do povo, de maneira a dar a conhecer melhor a cultura nacional e os progressos conquistados nos vários domínios da vida social. “Os quadros reúnem os requisitos definidos por Angola para esta edição. A intenção é continuar a mostrar uma Angola inovadora.”
A ideia é apresentar a riqueza étnica do país. “Toda a dimensão cultural nacional precisa de ser mostrada aos demais convidados, a partir dos seus hábitos alimentares. Pretendemos ainda chamar a atenção à reeducação do homem, a forma como têm sido utilizados os recursos naturais. Queremos mostrar que os angolanos estão preparados para dar uma resposta positiva ao tema deste ano da Expo.” A intenção é também mostrar uma Angola progressiva, repleta de oportunidades para o desenvolvimento. “Muitos estrangeiros conhecem o país apenas como produtor de petróleo e outros minerais. A ideia é mudar a consciência e mostrar que existem outros sectores em crescimento.”
Lucas Simão agradeceu o apoio da Embaixada de Angola na Itália, que tem ajudado a mobilizar a comunidade angolana naquele país. “Já temos muitos angolanos inscritos para trabalhar temporariamente no Pavilhão de Angola.” O apoio do Presidente da República, José Eduardo do Santos, tem permitido um excelente nível de organização da participação de Angola na Expo.
O porta-voz da UNAP, Kabudi Ely, disse que a existência de mais escolas de arte no país, nos últimos dez anos, tem possibilitado o surgimento de muitos novos artistas, dispostos a trabalhar com os consagrados, no sentido de fortalecer as belas artes. “Actualmente temos muitos associados e por isso não temos muitos problemas em escolher os seleccionados para a primeira fase”, disse.
A exposição, acrescentou, fica patente durante o período de avaliação das obras pela Comissão Internacional da Expo Milão 2015 e a UNAP. “Os trabalhos dos artistas plásticos angolanos já têm um nível que vai de encontro aos padrões internacionais, por isso a participação de Angola é positiva”, concluiu.
Para a exposição de carácter técnico, foram seleccionados 35 quadros e quatro esculturas, para posteriormente serem avaliados e escolhidos os trabalhos que melhor se enquadram no tema.
Os quadros reflectem a gastronomia e a mulher angolana e enquadram-se no tema desta edição do Pavilhão de Angola “Alimentação e cultura” e o slogan “Educar para inovar”. O tema da edição deste ano da Expo Milão é “Alimentar o planeta - Energia para a vida”.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA