Cultura

Escritor quer maior divulgação

O escritor António Fonseca pediu aos agentes culturais para divulgarem, cada vez mais, a literatura oral nas escolas do país, em especial nas do ensino secundário, como forma de os estudantes preservarem os ensinamentos tradicionais, noticiou ontem a Angop.

Fotografia: DR

António Fonseca considera a oralidade uma ferramenta importante para orientar a formação do carácter dos jovens, com base na própria identidade nacional.
A literatura oral, acrescentou, é também fundamental no resgate dos valores morais, cívicos e culturais. Para o escritor, a sua inclusão no sistema de ensino permite às crianças terem uma noção mais ampla da sua cultura e dos princípios característicos dos angolanos. “Ela possui um elevado valor estético e moral que se perpetua na vida das comunidades”, justificou.
Por isso, o escritor exortou a sociedade angolana a desenvolver mais actividades ligadas à literatura oral, através da divulgação de contos, provérbios, canções e adivinhas, em especial aqueles com forte teor pedagógico, para auxiliar na formação do carácter das crianças.
Membro da União dos Escritores Angolanos, António Fonseca é diplomado em Estudos Superiores Especializados de Políticas Culturais e Acção Artística, pela Faculdade de Direito e Ciências Políticas da Universidade de Bourgogne, França.

Tempo

Multimédia