Cultura

Especialistas de artes trocam experiências

Mário Cohen

Profissionais e docentes universitários de artes plásticas das universidades dos Estados Unidos da América, Perú, Israel e Polónia estão em Angola, com o objectivo de trocar experiência artístico-cultural com os professores do Instituto Superior de Artes (ISART).

Profissionais e docentes universitários nacionais e estrangeiros participaram no conferência
Fotografia: Contreiras Pipa | Edições Novembro

Os especialistas estão no país desde o passado dia 11, como informou, ontem, a directora-geral da Fundação Arte e Cultura, Naama Margalit, numa Conferência Internacional Sobre Artes, realizada no Teatro Elinga, em Luanda.

O projecto, denominado “Ponte de Arte”, é uma iniciativa da Fundação Arte e Cultura, e tem como objectivo principal dar oportunidade e incentivar os estudantes, nacionais e estrangeiros, a explorarem mais a realidade artístico-cultural de Angola, nas defesas de final do curso.
A directora da fundação disse que os artistas convidados são especialistas em artes plásticas de diversas áreas, como pintura, escultura, fotografia e instalação, vindos de África, Europa, América Norte e do Sul e da Ásia, com a intenção de criar novas e maiores conexões com os profissionais angolanos.
“Queremos tirar melhor proveito das potencialidades artísticas e culturais entre os países e identificar oportunidades de internacionalização das artes plásticas angolana, assim como assegurar a valorização da criação artística e dos autores”, explicou.
O projecto, disse, compreende três fases. Numa primeira os artistas internacionais e nacionais vão pintar, juntos, em volta de um tema, “O Prato”. Depois acontece a Conferência Internacional sobre Artes. Todo o projecto termina com uma exposição colectiva.
Para o artista israelita, Jonathan Goldman, que falou, no encontro, sobre o “Cultivo de Novas Terras”, a vinda a Angola é uma experiência excepcional, assim como ver a cidade de Luanda, “um progresso arquitectónico e cultural”.
O criador polaco Tomasz Matuszak, experiente em museus, dissertou sobre o tema “Construindo a colecção de arte do Museu Sztuki na Polónia”, onde realçou a importância da relação entre os artistas e os museus. “Actualmente os museus actuam mais nos aspectos educacional, visando, acima de tudo, fornecer às gerações vindouras conhecimentos sobre a história”, concluiu.
O criador angolano Miguel Sebastião, licenciado em artes pelo ISART, apresentou, no acto, o tema “Mergulhando na minha poética: Saboreando a violência entre sentidos”, assente na tese que usou na defesa do curso, onde destacou os trabalhos de António Ole e Francisco Van-Dúnem “Van”.

Tempo

Multimédia