Cultura

Estátua viva atrai visitantes

O modelo Júnior Kenzany foi a principal atracção para os expositores e visitantes na Feira Internacional do Cuanza Norte, que decorre desde quinta-feira, na cidade de Ndalatando.

O artista performático apresenta o corpo coberto de argila e manteve-se de pé numa plataforma, logo à entrada do recinto da feira, sem realizar quaisquer movimentos corporais durante cerca de seis horas. Encantou crianças, jovens, adultos que o admiraram pelo disfarce da argila molhada, em todo o corpo, o que confundia com uma estátua de betão.
Júnior Kenzany mexeu-se, apenas, para estender o braço para as pessoas que desejavam cumprimentá-lo para tirar fotografias. A estátua viva é uma performance temática em movimentos estáticos, com pausas estratégicas e perfeitas. Controla a respiração e os movimentos do corpo, técnicas e mímicas que prendem a atenção das pessoas à sua volta. Técnicas e figurinos de acordo com efeito que se quer criar.
Em declarações à Angop, o agente do artista, Victor Luciano da Costa, referiu que o Júnior Kenzany pratica há quatro anos estes exercícios. Acrescentou que o talento despontou de forma natural, criando espanto nos visitantes, que viram a representação  despertar uma nova forma de arte no país.
O artista tem uma capacidade de manter-se em pé durante oito a dez horas, sem fazer movimentos perceptíveis aos observadores. Salientou que estão a aproveitar a feira para angariar fundos no sentido de divulgar a imagem deste artista na capital do país, onde pretende desempenhar as suas habilidades. Os primeiros relatos de estátua viva aconteciam no teatro grego, onde, em determinadas situações, os actores faziam poses imitando estátuas dos mestres.

Tempo

Multimédia