Cultura

Estudantes do Rangel na “Galeria do Semba”

Manuel Albano

As escolas do distrito do Rangel passam a realizar, periodicamente, visitas guiadas a “Galeria do Semba”, o novo espaço de intercâmbio cultural aberto ao público no Centro Recreativo e Cultural Kilamba, em Luanda.

O administrador do distrito do Rangel, Francisco Naval, disse, ao Jornal de Angola, que pretendem trabalhar com a gestão do espaço e a repartição da educação, para dar visibilidade e promover a existência da galeria na comunidade. O objectivo, explicou, é incentivar as escolas do distrito a colocarem no calendário das actividades extra-curriculares visitas guiadas, de forma a aumentar os conhecimentos dos estudantes sobre os principais precursores da música popular urbana no país. Para o administrador, o espaço pode servir de inspiração para muitos jovens que querem seguir a carreira musical. “O distrito precisa de iniciativas do género, capazes de agregar a juventude conhecimentos sobre a história do país”, defendeu, apesar de lamentar o desaparecimento ao longo dos anos de outros locais e sítios emblemáticos da música nacional. “É uma forma de incentivar o turismo cultural”. A Presidente da Comissão Administrativa da Cidade de Luanda, Maria Antónia Nelumba, que inaugurou o espaço, na sexta-feira, espera maior reconhecimento dos criadores de semba , assim como a transformação deste num ponto de atracção turística, capaz de enriquecer o roteiro cultural da cidade. O bispo emérito da arquidiocese de Luanda, Dom Anastácio Cahango, considerou o momento oportuno para a transmissão de conhecimentos às novas gerações. “Um legado positivo que deve servir de inspiração para o surgimento de outros projectos do género”, disse, adiantando que é preciso valorização dos géneros musicais tradicionais. Para o gestor do Centro Recreativo e Cultura Kilamba, Estêvão Costa, a ideia de criar um espaço onde a juventude pudesse obter informação sobre a originalidade do estilo semba vai ser melhor assegurada com palestras e lançamentos de livros sobre o tema. O projecto, aclarou, durou quatro meses.

Tempo

Multimédia