Cultura

Executivo reforça aposta nas artes como fonte de desenvolvimento económico e social

Mário Cohen

A ministra da Cultura, Maria da Piedade de Jesus, considerou, ontem, em Luanda, fundamental a actual visão do Executivo de transformar o sector num eixo estruturante e estratégico para o desenvolvimento económico e social do país.

Artistas apresentaram novas performances no Centro de Animação Artístico do Cazenga
Fotografia: Agostinho Narciso | Edições Novembro

A dirigente teceu tais considerações no acto central do Dia da Cultura Nacional, realizado, ontem, no Centro de Animação Artístico do Cazenga (Anim’Art), em Luanda. Para a ministra, essa ideia vai-se tornar uma realidade através da política cultural e de outros instrumentos legais, mas é muito importante haver maior promoção e apoio à criação literária e artística em todos os domínios.

Maria da Piedade de Jesus destacou a importância que a formação dos agentes culturais e a criação de um modo de financiamento especial, assim como o incentivo à investigação científica, têm neste processo.
O ministério, explicou, tem, este ano, a tarefa de construir, conservar e preservar muitas das infra-estruturas culturais, incentivar a formação de quadros, tornar operacional a legislação cultural sobre o mecenato, tratar do registo, internacional, dos instrumentos musicais tradicionais, estilos de dança e outras expressões culturais imateriais e desenvolver novas e melhores políticas para a cooperação e intercâmbio com organismos estrangeiros.
Em relação à política de registo internacional do património nacional à UNESCO, Maria da Piedade de Jesus disse que o Executivo tem grandes desafios, um dos quais elevar a património da humanidade o sítio histórico da Batalha do Cuito Cuanavale, o Corredor do Kwanza e as pinturas Rupestres do Tchitundu Hulo.
“Igualmente não se deve esquecer a nova dinâmica que o ministério pretende imprimir ao cinema angolano, com a participação em festivais nacionais e internacionais, com o objectivo de melhorar e modernizar a produção cinematográfica e audiovisual”, adiantou.
A titular da pasta da Cultura reconheceu e enalteceu o papel das autoridades tradicionais como reservas naturais e fiéis conservadores da tradição oral. “Por isso em 2019 o Executivo organizou o III Encontro Sobre as Autoridades Tradicionais que aprovou as linhas orientadoras capazes de definir as relações entre a administração publica e a tradicional”, esclareceu.
Durante o acto, a ministra destacou, também, a importância de uma maior divulgação das línguas maternas, nos lares, escolas e centros culturais. “O Executivo pretende dar continuidade aos projectos para a expansão do ensino em particular das línguas nacionais, com envolvimento das administrações locais para o resgate e promoção da oralidade tradicional”, disse.
“Neste dia de festejo agradeço os dois parceiros da cultura: às igrejas que têm desempenhado um papel importante na moralidade da sociedade, como na promoção da cultura nacional e na divulgação da música gospel, com cariz nacional, assim como aos empresários do sector cultural, que apesar da actual conjuntura económica, continuam a organizar espectáculos nos diversos domínios e a realizar outras actividades, garantido deste modo, emprego a centenas de artistas e outros profissionais”, destacou.
O director provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desporto, do Governo da Província de Luanda, Manuel Gonçalves, aproveitou a ocasião para apresentar os projectos “Cultura no Meu Bairro” e a “Batucada do Carnaval”, com o intuito de preparar esta edição da “festa do povo” e torná-la o mais inclusiva e participativa possível. A ideia, disse, é tornar os grupos mais próximos do público e trazer uma nova classe de percussionistas para o Entrudo da capital.

Tempo

Multimédia