Cultura

Familiares vão levar produção ao tribunal

César Esteves

Familiares do concorrente ao “Estrelas ao Palco” Adelino Bianco, encontrado morto no dia 24 deste mês, na aldeia de Maculumbi, província do Cuanza-Norte, prometem levar a tribunal a produção do concurso por alegada negligência.

Fotografia: EDIÇÕES NOVEMBRO

Paulino Chitongua, primo do malogrado, que interpretava temas do cantor NGA no concurso, disse ao Jornal de Angola que a produção do evento tinha vários mecanismos à disposição para impedir a tragédia.
De acordo com Paulino Chitongua, após aperceberem-se que o MC Republicano, como também era conhecido no meio artístico, apresentava, fortes sinais de distúrbios mentais, a organização não se preocupou em ligar à família a imformar do estado de saúde da vítima”.
Ao invés disso, continuou “arranjou-lhe dinheiro de passagem para voltar para ao Huambo, de onde é originário”. O primo do malogrado adiantou que essa atitude da produção fez com que MC Republicano viajasse como um passageiro normal e não como alguém que precisava de uma atenção especial, devido ao seu estado de saúde.
“A produção do concurso Estrelas ao Palco não deu ao motorista que o levou, um documento a dizer que ele apresentava problemas mentais, no sentido de o prestarem uma atenção especial”, declarou, acrescentando que “caso se fizesse isso, provavelmente nenhum mal o aconteceria”. Paulino Chitongua explicou que foi uma passageira que, durante a viagem reconheceu o jovem e ao ver o seu estado débil ligou para os familiares a dar a conhecer da situação. “Na segunda-feira, 21 de Maio, por volta das 23h00, recebemos a ligação de uma mulher que estava no mesmo autocarro em que seguia o Bianco, a dizer que ele apresentava, durante a viagem vestígio de alguém com problemas mentais.”
A tragédia que viria pôr um ponto final à vida do concorrente aconteceu, segun-do explicou a nossa fonte, quando o autocarro que o levava fez uma paragem no Dondo, para os passageiros descansarem.
Quando voltaram ao au-tocarro para seguir viagem, disse, Adelino Bianco, já não se fazia presente no autocarro. “Como ninguém sabia onde o mesmo tinha ido e como já levava muito tem-po, o autocarro arrancou”, salientou.
A fonte contou que após tomarem conhecimento do desaparecimento do artista informaram as autoridades do Dundo sobre o sucedido. “Na quinta-feira (24), fomos informados que havia um corpo na aldeia de Maculumbi, comuna de Massangano. Deslocamo-nos lá e, para o nosso espanto, era mesmo do Bianco”, lamentou.
Até à hora do fecho desta edição não obtivémos resposta ao pedido feito à produção do concurso sobre a versão dos factos

Tempo

Multimédia