Cultura

Feira do Artesanato do Dondo estimula expositores e artistas

As condições técnicas e logísticas postas à disposição dos expositores que participaram na nona edição da Feira do Dondo, realizada sexta-feira e sábado, no município de Cambambe, foram apontadas como as melhorias mais notáveis promovidas pela organização.

Dezenas de expositores de artesanato e cestaria marcaram presença este ano na feira
Fotografia: Diniz Simão | Angop


A expositora Maria da Piedade, proveniente da província de Cabinda, disse que, apesar da conjuntura económica menos favorável, a organização antecipou-se na instalação das tendas para cada expositor, bem como nas condições de acomodação para que os participantes se sentissem mais confortados.
Maria da Piedade, que participa pela terceira vez, mostrou-se satisfeita pelo facto de ninguém carecer de espaços condignos ou de misturar produtos num único espaço, à semelhança do que viu na edição passada da feira, onde se registou, inclusive, o incumprimento de muitas das acções inicialmente programadas.
“Estou muito satisfeita, porque venho pela terceira vez e sinto-me mais animada, sobretudo nos arranjos e na acomodação, o que indica melhorias significativas”, disse Maria da Piedade.
Sublinhou que ganhou simpatia pela feira e espera que o Ministério da Cultura, em parceria com o Governo do Cuan-za-Norte, continue a promover iniciativas do género.
José Chitunda, expositor da província de Luanda, vê na edição deste ano uma grande evolução, apontando a ornamentação e o embelezamento do recinto, o aprovisionamento de balneários, a privacidade dos expositores e uma gama de produtos, incluindo agropecuá-
rios, cenários que denotam prosperidade para as próximas edições.
“Apenas gostaríamos que as próximas feiras fossem realizadas na estação seca, porque acreditamos que na actual fase do ano os estudantes, sobretudo, e turistas estão mais empenhados nos preparativos da quadra festiva”, rematou José Chitunda.
Margarida António, uma expositora do município de Cambambe, que expõe produtos agrícolas, congratulou-se com a integração da classe camponesa nesta edição da feira, facto que muito estimula os camponeses.

Show com Baló Januário
Baló Januário foi a grande atracção cultural, na noite de sexta-feira, na nona edição da Feira do Artesanato do Dondo, ao exibir-se em palco com várias músicas do seu vasto repertório, num concerto que lotou o espaço onde foi  realizado o evento.
O músico subiu ao palco por volta das 23h50, tendo contado com a ajuda do público que o acompanhou durante toda a actuação.
Interpretou o tema “Boca na Botija” e posteriormente “A Culpa é Minha”, mas foi com “As Miúdas d’Agora” que o cantor levantou a plateia e a manteve agitada até a sua saída de cena.
O músico, habituado a interpretar músicas do folclore angolano, tem sido convidado para actuar  em todas as edições da Feira do Dondo.
O espectáculo contou  com a participação dos músicos locais Paulo Panzo, Aguinaldo, Camilo Júnior e o grupo de dança Bailado Magno.

 Cambambe recebe livros da Cultura

Um lote de material bibliográfico, constituído por livros diversos, foi entregue sexta-feira, pelo Instituto Nacional das Indústrias Culturais (INIC) à Administração de Cambambe, Cuanza-Norte, no âmbito do programa da nona edição da Feira do Dondo.
Ao todo, são 150 livros, entre infantis, académicos, científicos e técnicos, destinados a potenciar a biblioteca local, no quadro de uma parceria existente desde 2011 entre o Ministério da Cultura e o Governo do Cuanza-Norte, que permitiu já a entrega de 650 livros.
Na ocasião, o director-geral do INIC, Gabriel Cabuço, disse que o gesto visa dotar de capacidade bibliográfica, para atender à procura estudantil, verificada hoje no país, muitas vezes confrontada com a escassez de material de consulta.
“O nosso foco privilegia os livros infantis, por ser nesta fase que as crianças muito precisam, em busca da paixão pelo mundo da leitura”, lembrou.
O administrador de Cambambe, que recebeu o material, afirmou que a oferta responde a uma carência há muito identificada pelas autoridades locais, na única sala de leitura existente, na localidade.
“Com este apoio, augura-se pela criatividade das direcções de escolas, tanto no ensino primário, primeiro ciclo e outras, para que possam gizar acções de leitura conjunta naquela biblioteca”, esclareceu Adão António Malungo. 
A Biblioteca de Cambambe foi criada em 2016 e conta com 1.500 livros de diferentes autores. Regista uma afluência mensal de cerca de 100 leitores, que investigam diversas obras.  

Tempo

Multimédia